Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Um “Coração sozinho” para os angolanos

Na cidade angolana de Luanda, as celebrações do Dia Internacional da Criança que se assinalam este sábado, um de Junho, serão um momento ímpar para o músico moçambicano Ivan Martos. O cantor, de 17 anos, publica o seu primeiro trabalho discográfico na terra de Agostinho Neto.

O envolvimento de Ivan Martos nas lides da produção musical inicia-se em 2006. Na altura, a Rádio Moçambique promoveu um Concurso Nacional de Música Infantil no qual Ivan ficou posicionado em primeiro lugar, como concorrente de Nampula. Um dos desafios do evento  para os participantes apurados era a necessidade de produzirem as suas composições musicais, a fim de gravar uma canção infantil.

“Vamos combater a pobreza absoluta” é o tema com que Ivan participou na colectânea musical que a Rádio Moçambique produziu no contexto dessa iniciativa.

Sobre aquela época Ivan Martos, que tinha nove anos, recorda-se de que “no fim do certame, desliguei-me das lides da música porque eu era muito pequeno e em Nampula praticamente não havia estúdios de gravação, bem como de produtores musicais. Por isso, avaliando a qualidade e a quantidade de músicos que existiam, compreendi que não era o momento apropriado para apostar numa carreira artístico-musical”.

Na verdade se, por um lado, as fraquezas do sector musical em Nampula, ao longo da década 2000, não estimularam Ivan a cantar como profissional, por outro, vezes sem conta, o artista viu a oportunidade de explorar o campo da produção musical. Foi essa a razão que moveu-lhe a aprender aquele ofício em 2007, criando obras originais. “Eu gostava muito de acompanhar alguns produtores no seu trabalho, com o anseio de um dia também produzir as minhas músicas”, refere.

No prolongamento dessa relação com a produção, Ivan encanta-se de novo com o canto, mas, desta vez, no campo da música romântica, explorando, sobretudo, temas relacionados com o Amor. Desde o princípio, o pequeno cantor contou com o apoio da sua avó, mas, ainda que tivesse essa ideia, ela nunca o matriculou numa escola de música. Priorizou o ensino geral.

“A minha avó começou a apreciar o meu talento quando participei no casting da Rádio Moçambique onde se gravou uma colectânea musical. Ela aconselhou-me a seguir a carreira musical, advertindo-me para nunca preterir o ensino geral por causa dela. Foi nesse contexto, inclusive, que ela prometeu inscrever-me numa escola de música – o que ainda não aconteceu”.

De uma ou de outra forma, Ivan trabalhou continuamente  e, presentemente, possui 28 músicas gravadas. Desse universo, 14 constituem o seu primeiro álbum. O R&B, o Hip-Hop e o Pandza são os ritmos em que o cantor aposta. “O ritmo que aprecio é o R&B porque me possibilita revelar muitos aspectos referentes ao Amor”.

Distribuição do disco

De acordo com Ivan Martos, a ideia de publicar um disco é um sonho antigo que, ao longo dos anos, o moveu a pedir apoios nas empresas locais sem resultado favorável. Um dia encontrou-se com o gestor da Rec Sonhos África, uma editora discográfica com sede em Nampula, que, ao avaliar o seu talento, decidiu apostar em si.

As suas músicas, nesse primeiro trabalho, retratam o quotidiano, invocando temas sociais como a tristeza, a traição, ao mesmo tempo que sublima o Amor e a lealdade, entre outros que se relacionam com a vida íntima.  A sua opção, na produção que faz, não é movida por um mero acaso: “vivemos numa sociedade onde há escassez de Amor, o que origina intrigas sentimentais entre pessoas que se amam. Por isso, não tem sido fácil casar e conduzir uma vida conjugal por muitos anos”.

Sabe-se que o seu o primeiro trabalho discográfico contará com a participação do seu confrade de Maputo, o cantor Hermínio em resposta a um convite de intercâmbio cultural entre os músicos moçambicanos. Numa primeira fase foram impressas duas mil cópias do disco “Coração sozinho” para a sua distribuição no mercado.

O lançamento do disco irá abranger o mercado internacional. É esta a razão que explica a realização do concerto de um de Junho em Angola.

O cantor está preocupado com o grau de contrafacção de trabalhos discográficos em Nampula.  “Não sei como é que a editora vai articular para evitar que este disco não passe pelas mãos dos piratas, retirando, assim, o valor e a qualidade das músicas”, diz acrescentando que espera que o mesmo seja bem recebido pelos seus fãs e admiradores.

Projectos

Além da sua aposta no R&B e nos demais estilos, Ivan Martos também produz  Gospel. É nesse sentido que para o referido estilo está agendado para Novembro próximo o lançamento de um disco contendo 10 músicas.

Considerado por si como uma música serena para a sublimação do poder divino, Ivan afirma que os jovens deviam explorar mais esse género para louvar a Deus e à sua criação.

A Rec Sonhos África trabalha no sentido de até o tempo aprazado publicar-se a obra que contará com a participação de alguns crentes das Igrejas Evangélicas locais. De qualquer modo, o seu último comentário tem um interesse peculiar:  “O Gospel não tem mercado em Moçambique, mas a minha intenção é contribuir para o seu surgimento de modo que num futuro breve os jovens possam apostar mais nele”.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!