Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Turquia segue Liga Árabe e impõe sanções à Síria

A Turquia, principal parceira comercial da Síria, suspendeu esta quarta-feira todas as transações de crédito com o país vizinho e congelou os bens do governo sírio, juntando-se à Liga Árabe nos esforços para isolar o presidente Bashar al Assad em consequência da repressão militar a manifestantes. Noutro golpe para Assad, o governo de Dubai, polo regional de transportes, disse que companhias aéreas com sede nos Emirados Árabes Unidos irão suspender os seus voos para a Síria.

Entretanto, a Síria sepultou esta quarta 14 soldados e policiais mortos em combate com militares desertores, num reflexo das dificuldades que o governo enfrenta para sufocar uma rebelião iniciada há oito meses. A revolta é parte da chamada Primavera Árabe – onda de protestos que varre o norte da África e o Oriente Médio desde o começo do ano, e que já derrubou os governos da Tunísia, Egito e Líbia.

Ao anunciar as novas sanções à Síria, o chanceler turco, Ahmet Davutoglu, disse a jornalistas que Ancara irá bloquear o fornecimento de armas e demais suprimentos militares à Síria. As relações com o Banco Central sírio foram suspensas, e um acordo de cooperação será revogado até que Damasco tenha “um governo legítimo, que esteja em paz com o seu povo”.

A Turquia – um país muçulmano como a Síria, mas que não é árabe – teve no ano passado um comércio bilateral de 2,5 bilhões de dólares com seu vizinho do sul. O primeiro-ministro Tayyip Erdogan já foi um dos principais aliados regionais de Assad, mas ultimamente perdeu a paciência com ele, e a Turquia agora dá abrigo a militares sírios desertores e a uma frente oposicionista. Ancara promete que as sanções não afetarão o povo sírio, e descartou interromper o abastecimento de água ou energia elétrica. Disse também que a Turkish Airlines continuará a operar voos para Damasco.

Membro da NATO, a Turquia disse na terça-feira que é contra uma intervenção militar estrangeira na Síria, mas que não descarta a implantação de uma zona tampão para conter uma fuga maciça de refugiados. De acordo com a ONU, mais de 3.500 pessoas já foram mortas na repressão aos protestos na Síria.

O governo de Assad diz estar a enfrentar uma rebelião patrocinada por potências estrangeiras, que já levou à morte de mais de 1.100 soldados e policiais. A agência estatal de notícias Sana disse que 14 membros das forças de segurança foram homenageados postumamente com “flores e coroas”. “Os mártires foram alvo de grupos terroristas armados quando estavam na linha do dever em Homs e na zona rural de Damasco”, disse a agência, sem explicar quando isso ocorreu.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU realiza na sexta-feira uma sessão especial para discutir a situação da Síria, com base em um relatório divulgado nesta semana em que observadores internacionais acusam a cúpula do regime sírio de ordenar homicídios, torturas e estupros. Um dos objetivos da sessão especial será pressionar a China e a Rússia a aceitarem medidas firmes do Conselho de Segurança contra Damasco. Moscou, porém, até agora não dá sinais de que irá abandonar Assad.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!