Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Síria autoriza acesso de monitores e oposição desconfia

Acuado pela ameaça de sanções devido à morte de milhares de manifestantes, o governo sírio aceitou esta segunda-feira a presença de monitores estrangeiros para fiscalizar o cumprimento de um acordo de paz mediado pela Liga Árabe. Oposicionistas disseram que a decisão é uma tática protelatória do governo sírio, que diz ter aceitado o acordo por orientação da Rússia, um aliado que demonstra crescentes sinais de impaciência com o governo de Bashar al-Assad.

O chanceler sírio disse também que obteve concessões da Liga Árabe, e que em princípio os monitores vão ter acesso ao país durante apenas um mês. Mas a Liga Árabe afirmou que ainda não está preparada para suspender as sanções impostas diante da relutância síria aos monitores. Uma delegação chega a Damasco nesta semana para preparar a missão de monitoramento.

O acordo de paz prevê a retirada das forças militares de cidades onde há protestos, a libertação de presos políticos e o início de um diálogo com a oposição. Em tom desafiador, o chanceler Walid al-Moualem disse ter arrancado da Liga Árabe alterações sem as quais “não teríamos assinado (o acordo), quaisquer que fossem os alertas e ameaças”. Burhan Ghalioun, líder exilado do Comitê Nacional Sírio, um grupo de oposição, disse que a aceitação do acordo por Damasco foi “uma mentira destinada a ganhar tempo e evitar que a Liga recorra às Organização das Nações Unidas”.

Mas outra figura da oposição, Samir Aita, disse ter a esperança de que a entrada dos monitores seja “um ponto de inflexão” no sentido de conter a repressão. “Quando os observadores estiverem lá, pode haver manifestações pacíficas, e a rebelião poderá voltar nas grandes cidades à sua posição cívica pacífica.”

Novos incidentes violentos foram registrados na segunda-feira na Síria, de onde a maior parte da imprensa estrangeira foi expulsa. Estima-se que mais de 5.000 pessoas já tenham morrido nas manifestações contra Assad iniciadas em março. O governo de Assad afirma que “gangues terroristas armadas” já mataram mais de 1.100 soldados e policiais.

No mês passado, diante da recusa de Damasco em admitir a entrada de monitores, a Liga Árabe aprovou a adoção de sanções, e na semana passada o grupo regional ameaçou levar sua proposta ao Conselho de Segurança da ONU. O secretário-geral da Liga Árabe, Nabi Elaraby, disse que as sanções não foram suspensas, mas que uma reunião de chanceleres regionais nesta semana para discutir medidas contra Damasco foi “adiada indefinidamente”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!