Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambola: HCB de Songo e Maxaquene firmes na liderança

O HCB de Songo derrotou, no passado domingo (26), o Vilankulo FC, por 2 a 0 e manteve a liderança da competição com 18 pontos, igualando, para já, o Maxaquene que no arranque desta décima jornada também venceu o Têxtil de Púnguè, por 2 a 1. O Desportivo de Nacala, equipa que à entrada desta ronda estava no pelotão de comando, para além de ter perdido três pontos no “gabinete”, averbou uma derrota diante da Liga Muçulmana caindo para a sétima posição.

Para o triunfo do HCB de Songo no campo Municipal de Vilankulos diante dos “Marlins”, combinaram todos os elementos. O primeiro, sem dúvida, uma grande exibição de Soarito entre os postes. Já se sabe: um guarda-redes inspirado pode assegurar uma má digestão para qualquer ataque. E foi isso que aconteceu com a equipa da casa.

O outro elemento, como em todos os desportos, é a sorte. Estava escrito que a HCB de Songo ganharia o duelo embora o Vilankulo FC não merecesse a derrota. É melhor explicarmos: Osvaldo, camisola 8 do Vilankulo FC, esteve perto do golo. Passou por Mucuapel, “sentou” literalmente Fanuel e ainda fez a bola passar por cima de Soarito. Um contra-ataque letal que incluiu velocidade, arte e foi culminado pela má sorte. Aliás, muita má sorte. A bola perdeu-se pela linha de fundo. Nesse lance a superioridade dos “Marlins” poderia ser traduzida em golo, mas o azar disse não.

Prossigamos com a história. O Vilankulo, como em toda época passada nos jogos em casa, era a melhor equipa em campo. Contudo, foram os visitantes que marcaram por intermédio de Babo. Num remate colocado que culminou um lance de contra-ataque, Babo recebeu o passe junto ao lado direito do seu ataque, flectiu para o meio e disparou para gelar o campo. Antes disso, Soarito evitou, com duas grandes intervenções, o golo do VFC.

A vantagem da HCB desorientou o VFC que recuou no terreno e permitiu que a equipa da agreste província de Tete respirasse. Até ao final da primeira parte o jogo decorreu no zona intermédia. Chiquinho substitui Abdul por Tendai ainda no primeiro tempo. Na etapa complementar o Vilankulo FC instalou-se literalmente no meio-campo da HCB de Songo. A avalanche ofensiva da equipa da casa esbarrou nas luvas de Soarito. Onde o guarda-redes da HCB não chegou o poste deu uma ajuda.

Numa jogada de insistência Osvaldo “deitou” o lateral direito da HCB que, sem hipóteses de travar o adversário, jogou a bola com a mão. O árbitro não hesitou e apontou para a marca de grande penalidade. Matlombe, na cobrança, rematou ao lado do poste esquerdo de Soarito. Não era definitivamente dia da equipa da casa.

Quando já não se podia esperar o pior foi Babo, em estado de graça, quem acabaria por enterrar os “Marlins”. Um golo no minuto 84 que estabeleceu a ditadura da eficácia, num jogo em que o Vilankulo FC aprendeu, da pior forma, que o futebol pode ser injusto.

No final, sofrido triunfo dos homens de Songo, que ao menos cumprem com o seu papel de aspirantes ao título, que não é outro senão ganhar as suas partidas, mesmo que não demonstrem futebol para tal. E, quanto ao VFC, perde mais do que três pontos pois de momento está numa zona incómoda da tabela classificativa. Sempre se pode confiar em Chiquinho Conde em condições adversas, mas a verdade é que o VFC se meteu numa encruzilhada de orações da qual ainda está por ver se logrará sair indemne.

Costa do Sol averba a terceira derrota

Na tarde de sábado (26), a vez foi do Costa do Sol entrar no santuário de Nampula para, de forma frustrada, sair sem a ambicionada “bênção” que pretendia. Razões: uma equipa distraída nunca ganha jogos. Aliás, a equipa canarinha entrou irreconhecível e despreparada se calhar, perceba-se, para brilhar naquele relvado desconfigurado do campo 25 de Junho. E no primeiro lance de ataque do seu adversário sofreu golo.

Foi através de uma cobrança rápida de livre, em que a bola sobrevoou até à zona da grande área, perante a desatenção dos centrais canarinhos que só “acordaram” ao ver as malhas de Gervásio receberem o esférico introduzido de cabeça por Belito. Estavam jogados apenas sete minutos da partida.

O Costa do Sol, ao seu estilo característico, fez o jogo de paciência circulando e trocando mais a bola entre os jogadores, na expectativa de ver a equipa da casa a desapertar-se na zona mais recuada ou, ainda, a cometer algum erro. Debalde. Para além de o piso do campo não ter ajudado aquela equipa na construção de jogadas ofensivas, no primeiro quarto de hora podia ter sofrido mais um golo se não fosse a falta de pontaria de Hipo que atirou por cima da baliza.

No único lance em que a turma canarinha conseguiu aplicar-se com perfeição, jogando a um toque e impetuosa na transição de bola, chegou ao tento. O homem mais avançado no terreno, Tony, ganhou o esférico no flanco direito e cruzou para Rúben que, no lugar de fazer o remate de primeira, entregou Nelson que, de primeira, restabeleceu a igualdade no marcador.

E engana-se quem pensa que com o golo o Costa do Sol se levantou. Pelo contrário. Foi obrigado a recuar para não sofrer com a audácia da equipa locomotiva, que ao minuto 28 desperdiçou um “frango” oferecido pelo guarda-redes Gervásio ao entregar a bola de bandeja ao seu oponente Belito que rematou para a linha do fundo. No reatamento, o Ferroviário de Nampula quase passou ao lado da partida. É que nesta etapa do jogo, o seu adversário entrou imponente e disposto a alterar o marcador a seu favor.

Tentou o Costa do Sol, em dois momentos separados, violar a baliza de David, primeiro ao minuto ao 57 na cobrança de um livre directo por intermédio de Manuelito II e, segundo, pelo mesmo jogador que dentro da grande área desferiu um remate frouxo para as mãos seguras do guarda-redes. Os donos da casa pouco fizeram e, ainda assim, já no período de compensação, chegaram ao golo da vitória num lance em que, mais uma vez, os centrais do Costa do Sol se distraíram-se a ponto de Jerry, que entrou no jogo no minuto 88, aparecer do nada e sem marcação para fazer o 2 a 1 final.

Desportivo de Nacala perde pontos no “gabinete”

A equipa canarinha do norte do país, estreante no Moçambola e que até à entrada da décima jornada ocupava a primeira posição da prova com 15 pontos, os mesmos que o Maxaquene e o HCB de Songo, perdeu os três pontos que conquistou diante do Ferroviário de Maputo em jogo da quinta jornada do Moçambola, mercê da vitória por 1 a 0.

É que por mero erro da arbitragem, que mostrou duas cartolinas amarelas ao mesmo jogador do Desportivo, Sebastien Lamah, sem ser expulso através da exibição de um cartão vermelho, o Conselho de Disciplina da Liga Moçambicana de Futebol (LMF) mandou repetir o jogo. No entanto, a direcção daquele clube protesta a decisão alegando que a infracção foi meramente do árbitro e do delegado da LMF que não reportaram fielmente as ocorrências daquela partida ameaçando, por outro lado, não comparecer ao segundo jogo, bem como denunciar o caso à FIFA, órgão máximo que superintende o futebol a nível mundial.

Aliás, Monteiro César, o delegado, foi punido com uma multa de três mil meticais por ter faltado à verdade no seu relatório ao reportar que dois jogadores do Desportivo de Nacala e com camisolas diferentes, 8 e 18 (ainda que tratando-se do mesmo atleta, Lamah, número 18) viram a cartolina amarela, a última nos minutos finais da partida, o que deixa clara a ideia de que se trata de uma nova artimanha para a falsificação de resultados desportivos no futebol moçambicano.

Aliás, o árbitro em causa, Justino Zandamela, mantém-se impune como se nada tivesse feito, sem contar com o facto de o presidente do Conselho de Disciplina da LMF ser um funcionário sénior dos Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique (CFM), empresa que suporta o Clube Ferroviário de Maputo (CFVM), equipa protestante.

Já no sábado, o Desportivo de Nacala perdeu diante da Liga Muçulmana, por 2 a 1, em partida da décima jornada. Gildo, transcorridos dez minutos, colocou a sua equipa a vencer, vantagem que durou até ao minuto 29 quando Sonito restabeleceu a igualdade. O golo da reviravolta foi apontado por Josimar nos instantes iniciais da segunda parte.

Quadro de resultados

10ª Jornada

Fer. de Nampula 2 x 1 Costa do Sol

Maxaquene 2 x 1 Têxtil de Púnguè

Liga Muçulmana 2 x 1 Desp. de Nacala

Fer. de Maputo 0 x 2 Fer. da Beira

Chingale de Tete 1 x 2 Clube de Chibuto

Vilankulo FC 0 x 2 HCB de SOngo Estrela Vermelha 1 x 0 Matchedje

PRÓXIMA JORNADA

Fer. de Nampula x Fer. de Maputo

Fer. da Beira x Maxaquene

Têxtil de Púnguè x Chingale de Tete

Clube de Chibuto x Vilankulo FC

HCB de Songo x Estrela Vermelha

Matchedje x Liga Muçulmana

Costa do Sol x Desportivo de Nacala

David Nhassengo

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!