Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Autoridade Tributária: Um clube de Namialo que surpreendeu África

O Clube de Voleibol da Autoridade Tributária de Nampula participou, no passado mês de Abril, em Tripoli, capital da Líbia, no Campeonato Africano de Clubes Campeões de África, edição 2012. E apesar do oitavo lugar conquistado tornou-se a primeira equipa moçambicana a chegar aos quartos-de-final, bem como a inscrever a posição assumida no livro de recordes do país.

Nesta semana a conversa é com Efraím Solano, técnico ao serviço da Autoridade Tributária, o responsável pelo projecto de estruturação de uma equipa que, depois de se sagrar campeã da Zona VI, surpreendeu o continente africano ao ser consagrada como a sensação do certame que decorreu na Líbia. O nosso entrevistado que definiu, nas entrelinhas, a sua equipa como um exemplo a seguir no país, falou também de assuntos ligados à vida do voleibol moçambicano.

Jornal @Verdade – Qual é o seu sentimento encontrando- -se a comandar uma equipa na maior competição africana de voleibol a nível de clubes?

Efraím Solano – Depois de um período longo de trabalho, ultrapassando vários obstáculos, primeiro estar na Líbia e, segundo, conquistar a oitava posição é para mim motivo de muita satisfação. Sinto-me bastante orgulho por pertencer a esta geração de vencedores.

@V – Quer dizer que se sente confortável por ter terminado na oitava posição da competição?

ES – É uma posição que pode não orgulhar ou não significar muito para ninguém. Mas só o facto de termos passado da fase de grupos e ainda na qualidade de equipa improvável, sendo a primeira vez na história de Moçambique em competições africanas, é bastante relevante.

@V – Qual foi o segredo para alcançar este resultado histórico?

ES – O nosso trabalho é complexo e teve a sua génese há sensivelmente três anos. Engloba várias componentes desde a psicológica, a nutricional até à técnica da equipa. A palavra-chave do nosso sucesso é a capacidade do atleta de estar no voleibol.

@V – O que falhou para que esta equipa da Autoridade Tributária não fosse para além dos quartos-de- -final?

ES – Temos, em primeiro lugar, que olhar para o grupo em que estivemos inseridos, com equipas do Quénia, de Uganda e da Costa do Marfim que constituem, de per si, potências a nível do continente. Em segundo, olhar para o “azar” que tivemos no sorteio dos quartos-de-final ao cruzarmos o caminho de um anfitrião que todos sabemos o que representa também para o continente africano.

@V – Teve a oportunidade, nesta competição, de ombrear com equipas com um nível elevado em termos de rendimento no voleibol. Qual é a avaliação que faz de Moçambique neste momento?

ES – O nosso voleibol vai, pouco a pouco, andando de forma progressiva. Nos já demos o primeiro passo. Algo que se destacou na nossa participação na Líbia é o facto de que, inicialmente, éramos considerados uma equipa qualquer. Mas, graças à nossa prestação e dedicação, fomos consagrados como a equipa sensação da competição, o que demonstra que estamos a subir.

Soube, recentemente, que a Confederação Africana de Voleibol enviou uma nota à Federação Moçambicana de Futebol e à direcção do nosso clube a saudar o “show de bola” que demos na Líbia, bem como a considerar que temos um futuro brilhante a nível de África. Mas isso não deve envaidecer-nos. Pelo contrário, temos de manter esta humildade, este trabalho e esta constância para que possamos ser aquilo que todos esperamos.

@Verdade – Esta é uma equipa que surgiu numa zona, diga-se, rural. O que é que a difere das restantes do país, sobretudo as urbanas, tomando em conta que grande número está centrado nas cidades?

ES – Não tenho autoridade para falar das outras equipas. Mas na Autoridade Tributária há união e espírito de trabalho colectivo. Nós estamos sempre juntos. Somos uma espécie de amigos de infância. É um facto que estamos baseados em Namialo, um local que dista da cidade. Mas é lá onde implantámos o nosso centro de formação que neste momento conta com cerca de 250 atletas.

É preciso deixar claro, também, que nada tem a ver com a localização, ainda que nas regiões recônditas tenhamos problemas de infra-estruturas. Todo o atleta pode adaptar-se quando há um projecto claro e sério de trabalho, partindo da própria formação. Há um aspecto que contribui para o fracasso das equipas em qualquer desporto: muitos treinadores esquecem-se de que a componente psicológica do jogador é preponderante para a vitória.

@V – Partindo do princípio de que o patrono do vosso clube é a Autoridade Tributária, uma instituição abastada, não será este o factor que vos diferencia das restantes equipas e vos coloca numa posição privilegiada?

ES – É o que muita gente pensa. A questão material nunca junta uma equipa, só separa. Eu, na qualidade de técnico, tenho de pensar somente nos meus atletas e eles nos objectivos traçados. A humildade e o trabalho caminham verticalmente com o sucesso. Volto a repetir: o trabalho psicológico é a nossa qualidade. Este é um projecto que começou do nada e há sensivelmente três anos. Há algo, por exemplo, de baixo custo mas fulcral e que, se calhar, muitos treinadores não usam neste país: os vídeos sobre o voleibol.

@V – Qual é a importância desses vídeos?

ES – São vídeos que ensinam como deve ser um trabalho de equipa; qual deve ser o comportamento de um atleta de voleibol; e qual é a responsabilidade de cada um em campo. Na Autoridade Tributária nós temos um total de 15 filmes desse género e, para nós, são como uma segunda arma.

@V – Quais são as necessidades da equipa da Autoridade Tributária?

ES – Felizmente, temos as condições básicas para continuarmos como equipa. Tudo, diga-se, joga a nosso favor. Temos envidado esforços para que os atletas sejam bem nutridos, exerçam normalmente os trabalhos de musculação e tenham num treino diário sem preocupações. Algumas coisas são improvisadas, cujo mérito vai para a criatividade do próprio treinador com ajuda dos coordenadores. Em termos de condições, repito, tudo joga a nosso favor.

@V – A nível de infra-estruturas?

ES – Este é, infelizmente, o nosso calcanhar de Aquiles. Mas entendo que a falta de infra-estruturas é um problema de todo o país. O que percebo é que até o próprio Governo, sem falar das associações, ainda não concebeu esta ideia da construção e da importância de pavilhões desportivos. Na Autoridade Tributária temos de pensar, a longo prazo, em ter um pavilhão e um ginásio.

@V – Onde é que a equipa da Autoridade Tributária treina neste momento?

ES – Em Namialo temos um campo aberto da vila que usamos para treinar. Temos, também, o campo da Escola Secundária de Muatala usado como alternativo onde, com a ajuda do antigo presidente da Federação Moçambicana de Voleibol, Camilo Antão, montámos um tapete.

@V – Os campos de Tripoli não constituíram algo estranho para os atletas moçambicanos?

ES – Na verdade, aqueles campos são diferentes e evoluídos se fizermos uma análise comparativa. Mas nós temos o básico, como bem disse anteriormente. O que tem de acontecer no país é a federação continuar a apoiar a nossa equipa em termos materiais para que possamos despontar a nível internacional.

@V – O técnico Efraím tinha excelentes relações de amizade e cortesia com Camilo Antão, no período em que ele era presidente da Federação Moçambicana de Voleibol. Nunca escondeu isso. Qual é a relação que mantém, neste momento, com Khalid Cassam?

ES – É uma relação normal. Mas também não deixa de ser verdade que com Camilo Antão havia muita confiança. Com Khalid sempre houve diferenças desde o período em que ele era treinador. Mas porque estamos unidos em prol do voleibol, estando ele no topo, temos de nos compreender. O contexto não muda.

@V – O que é que o elenco anterior disponibilizava à Autoridade Tributária e que este já não faz e vice-versa?

ES – Para além da própria afinidade que tínhamos com o elenco anterior, sobretudo com o próprio Camilo Antão, a única ajuda que tivemos da federação foi o tapete. Hoje continuamos com este material apesar de persistirem alguns embaraços. Outro aspecto que revela que há entendimento entre o nosso clube e o novo elenco federativo é o do uso desta equipa como selecção nacional sub-23, sabido da média de idade de 21 anos e do reconhecimento do trabalho que desenvolvemos ao longo destes três anos. Trabalhamos todos em prol de um objectivo comum: desenvolver o voleibol moçambicano.

@V – Quais são os objectivos da Autoridade Tributária?

ES – Neste momento estamos a pensar no Campeonato Nacional de Voleibol. Felizmente somos campeões da Zona IV e isso coloca-nos novamente no campeonato africano. Mas continuaremos a trabalhar para glorificar a província de Nampula e o país no geral.

 

“O voleibol moçambicano é anacrónico”

@V – Tendo em conta que está há cinco anos a residir em Moçambique, o que acha do nosso voleibol?

ES – Na minha opinião, o voleibol moçambicano está numa fase de transição. Espero não ofender a ninguém, mas ele tende a sair duma camada mais antiga para uma mais moderna em que a modalidade, embora de forma isolada, ganha novos projectos sérios e ambiciosos. Creio que daqui a mais algum tempo chegaremos até onde todos queremos.

@V – Em termos concretos, quais são os indicadores dessa evolução?

ES – Não é por uma questão de vaidade. Mas quando surge um clube como o da Autoridade Tributária a mostrar serviço fora de portas, muitos clubes do país querem seguir o exemplo. Internamente, passaremos a ter mais concorrência e a nível internacional teremos maior repercussão. Fomos elogiados e consagrados como equipa sensação do ano pela Confederação Africana de Voleibol e isso demonstra que o voleibol moçambicano tem futuro e poderá ser uma referência africana. Quanto mais competência apresenta a equipa “Y”, mais equipas poderão subir porque vão querer derrotá-la. Eu penso assim.

@V – É correcto dizer que a Autoridade Tributária é o exemplo do voleibol moçambicano?

ES – É muito complicado responder directamente a essa pergunta. Apenas tenho a dizer que somos um clube organizado que luta todos os dias para ser cada vez melhor. Todo o pessoal, desde os coordenadores até aos atletas, sabem que nada sabem e por isso procuram aprender a cada instante. Felizmente estamos a viver um sonho, o de ombrear com as grandes equipas, ainda que africanas. A Autoridade Tributária está a ajustar o voleibol global no contexto moçambicano.

 

“Não proibi nenhum atleta de estar na selecção nacional”

@V – Os jogadores da Autoridade Tributária rejeitaram a selecção nacional logo após o regresso da Líbia. Porque?

ES – Teve a ver com as condições impostas pela federação. Acabávamos de fazer uma viagem cansativa de Tripoli, Líbia, a Moçambique, em que os atletas ficaram sem dormir dois dias. Quando chegaram a Nampula, os nossos atletas tinham de viajar de autocarro até à cidade de Maputo e numa carreira nada confortável. Ademais, foi num período conturbado na zona centro do país com os acontecimentos de Muxúnguè. Obviamente que nenhum pai gostaria de ver o seu filho exposto a estas condições.

@V – Diz-se que foi o técnico Efraím quem proibiu os atletas de representarem a bandeira nacional. Isso é verdade?

ES – Nós somos humanos e temos as nossas limitações. Um atleta que vem de uma competição precisa de repouso e a federação devia também ver as coisas nesse prisma e não aparecer a exigir que os atletas viagem de Nampula a Maputo de autocarro.

 

“No voleibol não temos selecções representativas”

@V – Olhando para o trabalho que é feito pela Autoridade Tributária e a brilhante prestação que teve na Líbia, na sua óptica, o que falha na selecção nacional de voleibol sénior masculina?

ES – O maior erro da nossa selecção nacional é não ser representativa. Tentou-se, na última convocatória, chamar- se atletas de quase todo o país mas, infelizmente, as escolhas não foram as mais acertadas. Eu sempre defendi que, em qualquer modalidade desportiva, um seleccionador nacional, para ter sucesso, deve conhecer a realidade do país e os jogadores que vai convocar.

Mas é preciso, também, que a federação garanta que o técnico principal viaje pelo país à busca e pesquisa de talentos para a selecção nacional. Os atletas, por sua vez, merecem melhores condições enquanto representantes das bandeiras nacionais. A federação falha, por outro lado, ao não planificar as competições, quer dos clubes internos, quer da própria selecção.

@V – Se fosse convidado a abraçar a função de seleccionador nacional, aceitaria?

ES – Seria complicado. Eu sou um funcionário público e estou no voleibol apenas no período livre da minha vida. Eu acho que neste momento a selecção nacional está bem entregue ao técnico Beto Araújo. Eu chegarei à selecção nacional no dia em que forem melhoradas as condições para os meus atletas. Neste momento as coisas ainda estão numa fase em que precisam de transição.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!