Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique será maior exportador de castanha de caju em 2020

Cerca de 2,1 milhões de dólares norte-americanos deverão ser aplicados entre 2011 e 2020 em acções de aumento da investigação, produção e comercialização da castanha de caju destinada à exportação para, desta forma, tornar Moçambique como maior exportador africano daquele produto de rendimento de camponeses do sector familiar.

 

 

No fim do período, a exportação do produto deverá render ao país cerca de 202,9 milhões de dólares norteamericanos, “cifra que irá colocar Moçambique no topo das exportações africanas, seguido pela Guiné-Bissau e Tanzânia”, de acordo com Raimundo Matule, director nacional adjunto do Instituto de Fomento de Caju (INCAJU), falando, esta Segunda-feira, durante o lançamento do Plano-Director do Caju 2011/2020.

De acordo ainda com Matule, até 2020, Moçambique poderá tornar-se no 5º maior produtor mundial, numa lista a ser liderada pela Índia, Vietname, Brasil e Costa do Marfim, realçando, entretanto, que para se atingir aqueles níveis serão desenvolvidas acções de aumento do trabalho de investigação e de desenvolvimento de clones de plantas “altamente produtivas” importadas de diferentes países, segundo ainda o director nacional adjunto do INCAJU.

O Plano-Director do INCAJU, refira-se, indica que, graças ao investimento a ser feito no sector, a comercialização daquela cultura deverá incrementar de 112 mil toneladas, em 2011, para perto de 181 mil toneladas em 2020.

A capacidade de processamento da castanha de caju deverá também aumentar, nos próximos nove anos, para 73 mil toneladas, contra as actuais 38,4 mil toneladas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!