Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Banco Mundial na recapitalização/venda do Moza Banco para dar “transparência”

Banco Mundial na recapitalização/venda do Moza Banco para dar “transparência”

Foto de Adérito CaldeiraDevido a cada vez maior falta de confiança que o Banco de Moçambique(BM) inspira não só aos depositantes moçambicanos mas principalmente à potenciais investidores da banca um representante do Banco Mundial foi indicado para se juntar a Comissão de Avaliação que liderará o processo de recapitalização/venda do Moza Banco.

Pouco mais de dois meses após a intervenção que o banco central realizou no Moza Banco SA, devido a degradação e insustentabilidade da sua situação financeira, a instituição Reguladora do sector bancário moçambicano anunciou na passada segunda-feira(05) que está para breve a nomeação de uma Comissão de Avaliação que liderará o processo de recapitalização/venda, logo após a apresentação do relatório da KPMG.

Competirá a essa Comissão, que será presidida por João Figueredo, o actual presidente do conselho de administração provisório, “Apreciar o “Memorandum Informativo” a ser preparado pela KPMG e pela Direção Financeira do Moza Banco para posterior remessa aos accionistas, habilitando-os à tomada de decisão sobre o aumento de capital a deliberar pela Assembleia Geral; e Acompanhar os resultados da votação da Assembleia Geral e promover a sua execução”, informa um comunicado do BM.

Além de João Figueredo a Comissão de Avaliação será composta por um 1º Vogal, que será um Administrador do Banco de Moçambique e um 2º Vogal que será um representante do International Finance Corporation(IFC), um braço do Banco Mundial de investimento no sector privado.

Em resposta a uma pergunta do @Verdade, Alberto Bila, administrador do pelouro Jurídico, Regulamentação, Licenciamento e Recursos Humanos do Banco de Moçambique, clarificou a presença do representante da instituição de Bretton Woods no Moza Banco, “encontramos nesta instituição alguém possa trazer maior transparência que é desejável nestes processos, foi essa a principal razão”.

Fundado em 2008, o Moza Banco é detido em 50,9% pela Moçambique Capitais e em 49% pela instituição portuguesa Novo Banco.

Aparentemente o ainda quarto maior banco de Moçambique está estabilizado tendo inclusivamente inaugurado quatro novas agências nas cidades de Maputo e Matola.

“O Moza tem a 3ª maior rede bancária do País, composta por mais de 50 unidades de negócio. Estamos presentes em todas as províncias e somos actualmente o único banco com balcões no interior de mercados informais. A nossa carteira de clientes ultrapassa os 100 mil”, disse na ocasião João Figueiredo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!