Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Agente da Cruz Vermelha morre em confrontos na República Centro-Africana

Um funcionário da Cruz Vermelha foi morto a tiros e pelo menos 31 pessoas ficaram feridas em confrontos entre milícias e tropas internacionais na capital da República Centro-Africana, esta quarta-feira (20), disseram os serviços de emergência.

Os confrontos começaram depois de os moradores do bairro PK-5 terem acusado as forças da União Europeia (Eufor) de matar a tiros um homem na noite da terça-feira. O bairro é o reduto de cerca de 2 mil muçulmanos que vêm enfrentando violência sectária para permanecer em Bangui, mas que estão a resistir à pressão para desarmarem-se.

A Eufor afirmou num comunicado que uma das suas patrulhas abriu fogo depois de ter sido atacada no bairro PK-5. A força europeia não confirmou se alguém foi morto no incidente, no entanto.

Uma multidão de manifestantes levou o corpo de um homem à sede da Organização das Nações Unidas (ONU), esta quarta-feira, dizendo que ele tinha sido morto a tiros pela Eufor na casa dele.

Eles, então, sepultaram o corpo. Pouco tempo depois, artilharia pesada e bombardeios foram ouvidos em todo o bairro PK-5, disseram os moradores. O grupo beneficente Médicos Sem Fronteiras (MSF) informou que a sua equipe no Hospital Geral recebeu 31 pessoas feridas a bala.

“Dez pacientes gravemente feridos serão submetidos a cirurgia”, disse o vice-chefe da missão do MSF, Claude Cafardy, num comunicado. A Cruz Vermelha Internacional e o Movimento do Crescente Vermelho disseram que um dos seus voluntários, Bienvenu Bandios, foi morto a tiros durante a retirada de vítimas do PK-5.

“Estamos muito consternados com esta trágica perda de vida”, disse o presidente da Cruz Vermelha na República Centro-Africana, Antoine Mbao Bogo, num comunicado.

A ex-colónia francesa está tomada pela violência desde que o grupo seleka, uma coligação de rebeldes principalmente muçulmanos e alguns combatentes aliados dos vizinhos Chade e Sudão, tomou o poder em Março de 2013.

O governo seleka foi marcado por abusos que levaram a uma reacção da milícia cristã “anti-Balaka”. Ciclos de violência olho por olho continuaram, apesar da renúncia do líder seleka, Michel Djotodia, da Presidência em Janeiro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!