Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: SG da Frelimo e Governador; Nyusi no sorteio do Moçambola; Prisão preventiva de Jerónimo Malagueta

Xiconhoquices da semana: Funcionários públicos obrigados a participar na campanha eleitoral; Falta..

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

SG da Frelimo trabalha em Maputo e “abandona” governo de Cabo Delgado

O novo secretário-geral da Frelimo, Eliseu Machava, abandonou literalmente a província de que é Governador. Ou seja, deixou claro que a população de Cabo Delgado, na sua escala de valores, é bem menos importante do que os militantes da sua formação política. Por respeito aos cidadãos de Cabo Delgado, Eliseu Machava deveria, se o mais importante é, para si, a Frelimo, abdicar do seu cargo. A população daquela parcela do país não pode ficar privada do seu governador. E se saiu por algum tempo e pretende continuar no cargo deve explicações aos cidadãos daquele ponto do país. Só mesmo na esteira da Xiconhoquice é que se pode ignorar milhões de habitantes para beneficiar tão pouca gente como os membros da Frelimo.

Nyusi no sorteio do Moçambola

Os desportistas presentes na gala da LMF mostraram- se incrédulos e surpreendidos com a estranha presença de Filipe Jacinto Nyusi, recentemente anunciado candidato do partido Frelimo à Presidência da República de Moçambique. Ainda que fosse, actualmente, ministro da Defesa Nacional, o papel prestado por aquele político não deixou de ser ridículo, sobretudo pelo esforço imposto pelos organizadores do evento.

“ (…) Temos aqui o candidato da Frelimo e futuro Presidente de Moçambique (…)”, disse, de forma introdutória e pouco elegante, Sérgio Marcos, o mestre de cerimónias, curiosamente jornalista da Televisão de Moçambique (TVM) e comentador desportivo de uma cadeia televisiva sul-africana, manifestamente denunciando que a comparência de Nyusi na gala não passava de uma manobra de propaganda e de aproveitamento político. “O que ele vem fazer aqui?”, questionavam, aos sussurros, muitos dirigentes desportivos, enquanto outros respondiam, de forma categórica, que “vem lançar a sua apagada imagem”.

Sérgio Marcos, numa outra ocasião, convidou Filipe Nyusi, adjectivando-o de candidato do partido Frelimo, a subir ao palco para fazer a surpreendente entrega do prémio de Jogador Mais Valioso a Rúben, atleta do Costa do Sol. Pensávamos que a falta de vergonha fosse uma característica do mundo da política. Não sabíamos que até no desporto ela, a falta de vergonha, se exibia para desgraça do bom senso.

Prisão preventiva de Jerónimo Malagueta

“Num país onde a justiça é selectiva a lei aplica-se por conveniência. Quase três meses depois de os advogados da Renamo terem submetido um pedido de ‘habeas corpus’ a favor do brigadeiro na reserva, Jerónimo Malagueta, detido há quase um ano, o Tribunal Supremo ainda não se pronunciou sobre o assunto. Entretanto, segundo reza o nº 2 do artigo 66 da Constituição da República, “A providência de Habeas Corpus é interposta perante o tribunal, que sobre ela decide no prazo máximo de oito dias”. O primeiro pedido da Renamo foi feito em Setembro de 2013. O Tribunal Supremo está com o pedido há mais de 150 dias”, escreve o Canal de Moçambique sobre a Xiconhoquice em questão.

É, realmente, estranho o comportamento de um poder que não se devia, até implicitamente, subordinar ao poder político. Não se trata de exigir a libertação do homem, mas de respeitar claramente o corpo, o espírito e a letra da lei. O silêncio do TS é perigoso e um atentado claro à liberdade de todos nós. É que qualquer um de nós pode virar, da noite para o dia, mais uma Malagueta ignorado pelo TS para gáudio dos donos do país.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!