Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: Qualidade de infraestruturas públicas em Inhambane; Aeroporto em Gaza; Caça Furtiva

Xiconhoquices da semana: Novo Regulamento de Transporte em Veículos Automóveis; Passaporte falso de Nini sem falsificadores; Campanha eleitoral da Frelimo

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Qualidade de infraestruturas públicas em Inhambane

Todas as vezes que chove ou faz um vendaval em qualquer parte do país a história é sempre a mesma: destruição de infra- -estruturas públicas, com destaque para estabelecimentos escolares e hospitais. Desta vez, a situação deu-se na província de Inhambane onde a passagem do ciclone tropical Dineo pela província deixou pelo menos sete vítimas mortais, dezenas de feridos e desabrigou cerca de 130 mil pessoas. No pico do ciclone, os ventos superaram os 150 km/h levantando os tectos de dezenas de milhares de habitações, mais de uma centena de escolas, dezenas de unidades sanitárias e edifícios públicos. O ciclone Dineo deixou evidente o que sabemos por experiência: a má qualidade das obras públicas. Aliás, não é novidade para os moçambicanos de que o nosso país é líder em obras de péssima qualidade. Basta um mero vendaval que tudo desaba.

Aeroporto em Gaza

O Governo moçambicano é, sem dúvidas, o mais insensato da face da terra, pois tem vindo a cometer asneira quase todos os dias. Depois do elefante branco que é o Aeroporto Internacional de Nacala, construído com empréstimo feito ao Governo brasileiro, eis que o Executivo de Nyusi decidiu contrair um empréstimo ao Banco de Exportações e Importações da China no valor de 60 milhões de dólares para dar início à construção do aeroporto de Chongoene, na província de Gaza. Esta é, sem sombras de dúvidas, a demonstração da falta de bom senso por que ainda se rege o Governo da Frelimo. O país debate-se com várias situações que merecem prioridades, mas Nyusi e a sua turma optam por fazer empréstimos para dar corpo a uma infra-estrutura dispensável nestes momentos de crise. Parece que essa corja não assimilou a lição de Nacala.

Caça Furtiva

A caça furtiva em Moçambique soma e segue e as autoridades nacionais fingem que o assunto não lhes diz respeito. Quase todos os dias, são reportados casos de apreensão de troféus de caça ilegal. A título de exemplo, a tonelada de marfim apreendida no Camboja em Dezembro passado não só é proveniente do porto de Pemba como também foram cortados de elefantes moçambicanos. Foi a maior apreensão do ano de troféus da caça ilegal, 1300 quilos de marfim, 10 crânios de um animal, 137 quilos de escamas de pangolim e 82 ossos de diversos outros animais selvagens escondidos em três contentores com toros de madeira provenientes do porto de Pemba, em Cabo Delgado. Esse facto revela a promiscuidade das autoridades moçambicanas nesse negócio ilegal, pois não se justifica que aquela quantidade tenha passado pelo porto sem fiscalização. Quanta Xiconhoquice!

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!