Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: As Xiconhoquices de Bissopo; Ensino fantoche; Boladas

Xiconhoquices da semana: Falta de acção disciplinar cvontra funcionários públicos corruptos; CNE...

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

1. As Xiconhoquices de Bissopo

De Xiconhoquice em Xiconhoquice deitamos mais terra na campa do Estado de Direito Democrático. Desta vez foi o secretário-geral da Renamo, Manuel Bissopo, a orientar, na semana passada, um comício popular na Munhava, arredores da cidade da Beira, capital da província central de Sofala, fazendo-se proteger de 20 homens fortemente armados.

Há duas semanas, Bissopo e alguns dos seus colegas do partido foram detidos por agentes da Polícia da República de Moçambique (PRM) na região da Gorongosa, depois de desobedecerem a uma ordem de parar num posto de controlo instalado na zona, agravado pelo facto de se terem identificado com nomes falsos.

A falsa identidade não permitiu aos agentes da PRM apurar que os mesmos gozavam de imunidade parlamentar. Num país sério – algo que Moçambique não é – este tipo de Xiconhoquices não é permitido. No entanto, como a Frelimo também faz das suas quando usa a Força de Intervenção Rápida para cumprir com as suas agendas estrangeiras, em nome dos interesses dos moçambicanos não é proibido dizer que Xiconhoquice com Xiconhoquice se paga.

2. Ensino fantoche

“Uma parte significativa de crianças do ensino primário das escolas públicas moçambicanas não sabe ler, escrever, fazer a cópia, a redacção e tem lacunas no domínio da tabuada, supostamente porque estes aspectos não foram acautelados no actual currículo e os professores não têm conhecimentos sólidos das metodologias desenhadas para este nível”.

Quem assim o diz é o porta-voz do Ministério da Educação, Eurico Banze, que, para além de reconhecer que este problema é preocupante, afirma que enquanto persistir a existência de turmas numerosas, dificilmente os petizes poderão ultrapassar o défice de conhecimento. Enquanto isso, Felizardo Semente, do Departamento de Comunicação e Imagem da Organização Nacional de Professores (ONP), considera que o responsável por este aparente fiasco é o sistema todo que apresenta lacunas, desde o ano de 1983, e não apenas os pedagogos.

Para além do sentimento generalizado dos pais e encarregados de educação e de outros entendidos na matéria, sobre a deficiente qualidade do ensino e aprendizagem nos alunos das classes iniciais, o interlocutor do @ Verdade indicou que as actuais condições em que os docentes leccionam também não permitem que haja o devido acompanhamento da progressão dos educandos durante as aulas. Para além desta situação, o actual modelo de formação de professores está desajustado dos actuais problemas e desafios da Educação.

Eurico Banze considera que o défice de leitura e escrita nas crianças é um problema conjuntural e reconhece que concorre para que este grupo enfrente dificuldades que têm deixado os pais e encarregados de educação agastados e apreensivos em relação ao futuro dos seus dependentes devido ao receio de não proporcionar ferramentas que lhes permitam enfrentar e superar as incertezas do futuro. A nossa fonte indicou o dedo acusador aos docentes aos quais acusou de terem uma atitude passiva em relação à ligação permanente e metódica com os estudantes.

3. Boladas

“A Comissão Interministerial para Grandes Eventos Nacionais e Internacionais (CIGENI) vai gastar cinco milhões de meticais nas celebrações do jubileu da União Africana”, reportou um leitor do @Verdade e nós também ouvimos da televisão oficial da Frelimo que assim será. Ou seja, a “pública” Televisão de Moçambique deu a boa-nova e nós ficámos com uma pulga atrás da orelha.

Na nossa óptica, a questão do nosso leitor faz todo o sentido. Para não dizerem que nós escrevemos o que pretendemos e que a presente página não representa o sentimento popular, deixamos a pergunta sem alterações: “Esse valor representa quase o dobro do orçamento atribuído anualmente ao sector de Saúde no Distrito de Chibuto. Eu gostaria de saber: que actividades concretas a CIGENI vai desenvolver para gastar tão ‘módica’ quantia?”

@Verdade também gostava de saber que o que será feito e de que forma. No entanto, sentimos que muito boa gente vai encher os bolsos com tão nobre celebração.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!