Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhocas da semana: Ramin Bandaze; Casal que tentou vender filho; PGR

Xiconhocas da semana: Lizha James; Atanásio M’Tumuke; Standard Bank

Os nossos leitores elegeram os seguintes Xiconhocas na semana finda:

Ramin Bandaze

Ramin Bandaze, primeiro secretário da Frelimo no Posto Administrativo de Charre, é um Xiconhoca até à medula. Sendo do partido Frelimo, não poderia ser diferente. No cúmulo da sua Xiconhoquice, Bandaze ordenou a prisão do delegado político da Renamo, Albino Wisky Lisboa, no distrito de Mutara, na província de Tete, alegadamente por ter desobedecido às ordens de um líder comunitário naquele ponto do país. Este é apenas um dos episódios da intolerância política que grassa nos membros da Frelimo e fazem das instituições do Estado o seu braço direito.

Casal que tentou vender filho

Há indivíduos que não merecem o título de pais, devido à tamanha monstrousidade que praticam contra os seus descendentes. É o caso do casal, que agora está a contas com a Polícia da República de Moçambique (PRM) em Tete, que tentou vender o próprio filho de dois anos de idade, com problemas de albinismo, por quatro milhões de meticais, em conluio com cinco indivíduos, supostamente por si contactados. Enfim, já não se fazem pais como antigamente!

PGR

Ridículo é o que se pode dizer da vergonhosa situação que a Procuradoria Geral da República (PGR) se submeteu nesta semana. Numa atitude que demonstra falta de agenda, a PGR veio a público falar da sua preocupação com os boatos que circulam nas redes sociais. Com tantos assuntos sérios que os moçambicanos querem ver devidamente encaminhados, a nossa Procuradoria simplesmente concentra-se nos assuntos fúteis. É uma pena que os impostos dos moçambicanos sejam usados para questões sem nenhum interesse nacional. Bando de Xiconhocas!

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!