Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhocas da semana: Mandantes da guerra; Agente das Forças de Protecção de Altas Individualidades em Manica; Agentes da Polícia Comunitária de Vandúzi

Xiconhocas da semana: Lizha James; Atanásio M’Tumuke; Standard Bank

Os nossos leitores elegeram os seguintes Xiconhocas na semana finda:

Mandantes da guerra

Tanto o Governo da Frelimo como a Renamo são Xiconhocas da pior espécie que existe na face da terra. O país vive uma guerra sem precedentes, mas ambos, promotores desse conflito armado, fingem que nada acontece. Diariamente, dezenas de pessoas perdem a vida, uns assistem aos seus bens a serem distruídos e outras são obrigados a abandonar o país, devido à insensibilidade desses necrófagos que se alimentam da desgraça do povo. Xiconhocas!

Agente das Forças de Protecção de Altas Individualidades em Manica

Não há dúvidas que a Polícia da República de Moçambique (PRM) é um covil de criminosos. A título de exemplo, uma agente das Forças de Protecção de Altas Individualidades, identificado apenas pelo nome de Graça, encontra-se detido na 1ª esquadra da PRM, no Chimoio, em Manica, devido ao seu envolvimento com uma rede de malfeitores que se dedicavam a assaltos a residências e estabelecimentos comerciais com recurso a armas de fogo. O Xiconhoca fornecia armas aos bandidos para tirar o sossego da população.

Agentes da Polícia Comunitária de Vandúzi

A cada dia que passa fica claro que o povo moçambicano está entregue à sua própria sorte. Os que deviam proteger a população sãos os mesmos que praticam a criminalidade. Por exemplo, um grupo de agentes da Polícia Comunitária do bairro Eduardo Mondlane, distrito de Vandúzi, província de Manica, espancou dois cidadãos, um dos quais viria a perder a vida. As vítimas, identificadas por Roberto Mafala (28) e Avelino dos Santos (26), eram acusadas pelos agentes da Polícia Comunitária de tentativa de rapto de uma menor.  Estes Xiconhocas fizeram justiça com as próprias mãos, ao invés de encaminhar aqueles cidadãos para as autoridades competentes.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!