Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoca da semana: Regalias de Verónica Macamo; Polícia moçambicana; Armando Guebuza

Xiconhoca da semana: Mulher que trancou as filhas em casa e ateou fogo; Jorge Khalau prometeu...

Os nossos leitores elegeram os seguintes Xiconhocas na semana finda:

Regalias de Verónica Macamo

A presidente da Assembleia da República (AR), Verónica Macamo, é uma das figuras mais beneficiadas na nova proposta de regalias aprovada pelo Parlamento. Caricato, não é? Por exemplo, a presidente da AR tem o direito na totalidade ao subsídio de reintegração equivalente a 100 porcento do seu vencimento básico por cada ano do exercício do mandato, subsídio de água e luz, telefone, empregados domésticos e alimentação, bem como a pensão de reforma, viatura para uso pessoal de cinco em cinco anos, verbas de manutenção e equipamento da sua residência e assistência médica e medicamentosa para si, o seu cônjuge e os seus dependentes. “Afinal, não somos um país pobre!?”, indagam os nosso leitores.

Polícia moçambicana

A incompetência da nossa Polícia é sobejamente conhecida. Ao invés de se preocupar em esclarecer o crime, a Polícia da República de Moçambique (PRM) a nível da cidade de Maputo, tentou disputar a guarda dos pertences do juiz de instrução criminal do Tribunal Judicial da cidade de Maputo assassinado a escassos metros da 6ª esquadra da PRM, Dinis Silica. Temos de concordar com os nossos leitores quando afirmam que: “Com uma Polícia dessa estirpe, ninguém precisa de inimigos”.

Armando Guebuza e o seu discurso

Os discursos do Presidente da República, Armando Guebuza tem sempre aquele ar fúnebre. No encerramento da 9ª Conferência Nacional de Quadros da Frelimo, o PR desviou as suas atenções dos acontecimentos que deviam merecer destaque para atacar aqueles que considera os críticos do sistema. Num discurso cheio de parra e uva nenhuma, Guebuza limitou-se a lançar farpas para todos os lados e, por fim, afirmou que o compromisso com o país não se mede pela capacidade de instrumentalizar o povo.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!