Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Voleibol: Caiu o império que durou mais de 30 anos

Camilo Antão perdeu a corrida eleitoral para a sua própria sucessão na presidência da Federação Moçambicana de Voleibol (FMV). Foi esta a grande decisão tomada na assembleia-geral ordinária daquela agremiação, que no último sábado (16) reuniu as oito associações provinciais que compõem a instituição e convidados.

Trinta e três anos depois, o voleibol do país pode abrir uma nova página nos seus destinos com a eleição, no passado sábado, de Khalid Cassam para presidente daquela agremiação desportiva. Cassam, antigo atleta e dirigente desta modalidade na cidade de Maputo, derrotou Camilo Antão que concorria para a sua própria sucessão, naquilo que seriam mais quatro anos de direcção desportiva.

No escrutínio, que contou com a participação das oito associações, nomeadamente da cidade de Maputo, da província de Gaza, de Inhambane, de Manica, de Sofala, da Zambézia, de Nampula e de Cabo Delgado, os dois concorrentes saíram empatados na primeira volta, tendo-se, a seguir, recorrido ao voto de qualidade do presidente da mesa da assembleia-geral, como manda o artigo 23, no seu número seis do Regulamento Eleitoral daquela federação.

Abílio António Pica, que não pretendia votar por pertencer ao elenco directivo ora apresentado por Camilo Antão, tentou esquivar-se exigindo uma segunda volta, vontade rejeitada pelos participantes por constituir uma grave violação ao Regulamento Eleitoral. Esta ocorrência levantou um debate aceso e intenso dentro da sala, com alguns ânimos exaltados.

Aliás, diga-se em abono da verdade, foi graças à intervenção de Domingos Langa, representante do Conselho Nacional dos Desportos que o regulamento foi cumprido. O presidente da mesa nada mais fez senão “apunhalar” pelas costas Camilo Antão, ao entregar os destinos do voleibol do país a Khalid.

Momentos estranhos

Durante a assembleia-geral, que durou três horas acima do previsto, o @Verdade registou algumas situações esquisitas relativamente ao objectivo que reuniu oito associações provinciais numa das estâncias turísticas da capital do país.

A primeira foi quando o presidente da Associação de Voleibol da Zambézia, Romão César, alegou problemas familiares para pedir a todos os presentes que lhe cedessem um telefone para efectuar uma ligação para a sua esposa que se encontrava doente. Camilo Antão cedeu o seu próprio telemóvel e o dirigente saiu para o exterior da sala para proceder à tal chamada telefónica, acompanhado pelo então presidente da FMV.

Questionado sobre o assunto, Romão disse à nossa equipa de reportagem que não aconteceu nada de mais entre ele e o ex-presidente da federação, que só precisava mesmo de efectuar uma chamada telefónica urgente. Contudo, deixou-nos com uma frase inacabada, ao não responder à nossa pergunta de insistência: “eu podia sair daqui rico…!”

Outro acontecimento curioso deu-se na casa de banho, à hora do intervalo que antecedeu o pleito eleitoral, envolvendo o presidente da Associação Provincial de Manica, Lucas Chiguma, o da Zambézia, Romão César, e, uma vez mais, Camilo Antão. Coincidência ou não, o certo é que os dois primeiros acederam ao local, seguidos por Antão.

Apercebendo-se da presença de um dos repórteres do @Verdade, o representante de Manica saiu às pressas como se estivesse atrasado para o pleito e os outros dois continuaram como se não se conhecessem, com Camilo a perguntar a Romão: “como vai o voleibol de praia na Zambézia?”

Já na hora da apresentação dos manifestos eleitorais, Khalid solicitou o seu envelope à mesa e mostrou aos presentes que o mesmo tinha sido violado, numa abusiva violação do Regulamento Eleitoral, que determina que as listas e os manifestos eleitorais devem ser depositados no Comité Olímpico Nacional, e que somente devem ser abertos durante o acto eleitoral. Mesmo assim, Khalid aceitou apresentar o seu manifesto, ciente do que teria acontecido com o seu envelope.

Irregularidades detectadas no relatório

Apesar da aprovação do relatório de actividades, que continha alguns vícios contestados pelos convidados que não se calaram perante tamanha falsidade descrita naquele papel, o secretário-geral da FMV, Pelágio Pascoal, não teve tarefa fácil no que diz respeito ao relatório de contas.

Não obstante ter apresentado o mesmo de uma forma resumida, em apenas cinco linhas, Pelágio não reuniu consenso e deixou Camilo Antão desorientado ao ser chumbado por unanimidade. É que no relatório descritivo, distribuído entre os participantes, as irregularidades eram bastantes, a começar pelos cheques inexistentes que dão conta de pagamento de actividades da federação que nunca chegaram a existir.

O mesmo não mencionou o valor que a federação recebeu do Governo e nem dos patrocinadores e, dado curioso, é que em 2010 aquela agremiação funcionou com um orçamento de 944 262 meticais, cujos valores foram consumidos na totalidade, deixando os cofres da federação vazios para o ano seguinte. O mesmo, estranhamente, sucedeu em 2011 e 2012, cujos orçamentos foram de 4 438 236 meticais e 1 426 318. 62 meticais, respectivamente.

Com a reprovação, a Camilo Antão foi dado um prazo de duas semanas para apresentar um relatório de contas com probidade, sob pena de ser solicitada uma auditoria independente, segundo vincaram alguns dirigentes provinciais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!