Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Vinte e três pessoas morrem vítimas de minas

Vinte e três moçambicanos, entre os quais 11 crianças, morreram, de 2008 a 2011, vítimas de 58 acidentes com minas e outros engenhos explosivos, segundo o Instituto Nacional de Desminagem (IND).

No mesmo período, oito sapadores foram também vítimas de minas que resultaram em um óbito e sete feridos, de acordo ainda com o IND no seu documento de balanço do Programa Nacional de Acção Contra Minas 2008/2011, apresentado, esta Quarta-feira (4), em Maputo, ao Governo e aos parceiros internacionais financiadores deste programa.

Ainda no período em análise foram tidos como livres de minas 86 distritos moçambicanos, com Zambézia, Niassa e Cabo Delgado a registarem maiores números de distritos desminados, com 16 distritos para a primeira região e 11 para Niassa e Cabo Delgado cada.

No contexto da implementação do suprareferido programa nacional de desminagem, cerca de 80% de actividades reportadas pela pesquisa de base foram concluídas, num total de 418 áreas objecto daquele tipo de trabalhos de desminagem, resultando na libertação de 9,6 milhões de terras “que se encontravam bloqueadas ao desenvolvimento de actividades sociais e económicas”, segundo se lê ainda no documento distribuído à imprensa.

O documento realça que a libertação de áreas então minadas durante os dois últimos conflitos armados moçambicanos, nomeadamente, luta armada de libertação de Moçambique e guerra pela democracia, permitiu a efectivação de trabalhos de prospecção de carvão, gás e petróleo, nas províncias de Inhambane, Tete e Cabo Delgado; reabilitação das barragens de Massingir, Pequenos Libombos, Corumane e Chicamba; exploração dos corredores de desenvolvimento do Limpopo, Beira e Nacala e linhas férreas de Sena, Machipanda e de Salamanga.

As pontes da Estrada Nacional Número Um (EN1) sobre rios Lúrio, Zambeze, Incoluane e Incomati, projectos turísticos nas Reservas do Niassa, Gilé, Marromeu e de Maputo e nos parques nacionais das Quirimbas e Zinave foram também desminadas para permitir que fossem desenvolvidos projectos de desenvolvimento socioeconómico de Moçambique.

Necessidades

Entretanto, cerca de 33 milhões de dólares norte-americanos são necessários para a implementação do programa de desminagem com o propósito de se declarar Moçambique livre de minas até 2014, segundo igualmente o Instituto Nacional de Desminagem.

O valor será usado na desminagem de 16 milhões de metros quadrados de áreas perigosas que ainda existem em Moçambique, segundo o mesmo documento.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!