Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Vice-presidente do Sudão diz que país aceita secessão do sul

O vice-presidente do Sudão, Ali Osman Mohamed Taha, disse esta segunda-feira que aceitará a independência do sul do país, a qual teve o apoio de 99 por cento dos eleitores da região num referendo realizado neste mês. O plebiscito estava previsto no acordo de paz, em 2005, que encerrou décadas de guerra civil entre o norte e o sul do maior país africano. A independência do Sudão do Sul deve ser formalizada a 9 de julho.

“Anunciamos nosso acordo e nossa aceitação do resultado do referendo anunciado ontem”, disse Taha a jornalistas, na primeira reação oficial do norte após os resultados. “Desejamos aos nossos irmãos do sul boa sorte e um futuro frutífero na organização das questões que cercam o novo país.” Essas declarações contrariam as especulações de que integrantes radicais do governo sudanês iriam adiar o reconhecimento do referendo, para fortalecer-se com vistas às discussões a respeito da partilha dos bens e das dívidas do país.

Taha negociou o acordo de 2005 com o líder sulista John Garang, que morreu três semanas depois de tomar posse no governo de coalizão formado por aquele acordo. O sul agora busca reconhecimento internacional à sua independência, o que deve ocorrer quando os resultados finais forem confirmados, em fevereiro.

“Esperamos que esse resultado seja confirmado por membros da comunidade internacional”, disse o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, numa cúpula da União Africana na vizinha Etiópia. “Não temos interesse em voltar à amargura e às divisões do passado. Desejamos a transformação democrática do Sudão. Hoje as urnas triunfaram sobre as balas.”

Observadores dizem, no entanto, que o norte e o sul ainda precisam resolver disputas relacionadas à fronteira – ao longo da qual se concentra grande parte da riqueza petrolífera sudanesa – e da região de Abyiei, reivindicada por ambos os lados. Tanto Taha quanto Kiir disseram na segunda-feira que estão prontos para manter contatos. “A resolução de todas as questões remanescentes é essencial para manter a estabilidade e o progresso em todo o Sudão e região”, disse Kiir, prometendo que os nômades do norte continuarão tendo acesso às pastagens do sul após a secessão.

A guerra civil sudanesa foi alimentada por divergências a respeito do petróleo e de questões étnicas, religiosas e ideológicas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!