Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Vão ser edificados projectos sociais

Os preços da portagem introduzida para viabilizar a recém inaugurada ponte Armando Emílio Guebuza vão ser, exactamente, idênticos aos que se praticavam aquando da utilização dos batelões. Nesta fase inicial, os custos da portagem observarão a seguinte tabela: Camião-cavalo -800 meticais; tractor com atrelado -100 meticais; Tractor sem atrelado -80 meticais; viatura ligeira -80 meticais.

As viaturas ligeiras pertencentes a pessoas residentes no distrito de Caia e na localidade de Chimuara pagarão uma taxa mensal de 500 meticais. Estão isentas do pagamento da portagem as viaturas de ambulâncias e de bombeiros, motociclos, bicicletas e peões.

De salientar que o governo do Japão disponibilizou seis milhões de dólares norte americanos para projectos sociais em Caia e Chimuara, adjacentes à construção da ponte Armando Guebuza, nomeadamente centro de saúde, maternidade, residências para enfermeiros, mercado, além da reabilitação de uma unidade sanitária na vila-sede de Mopeia e ordenamento territorial da localidade de Chimuara e beneficiação das residências para os profissionais da Saúde da vila de Caia.

Os batelões que, durante vários, asseguraram a travessia a travessia do rio Zambeze, entre as margens de Caia e Chimuara, vão continuar a sua actividade nas províncias de Tete, Cabo Delgado e Zambézia. O batelão alocado à primeira província, vai garantir a ligação entre Cahora Bassa e Zâmbia, enquanto o que vai ser transferido para a segunda estabelecerá a travessia entre Palma e Quissanga e a Tanzania, e o da última, deicar-se-à ao percurso Quelimane-Chinde.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!