Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Uma má nova para fumadores

Os últimos dados da Sociedade Americana de Cancro apontam que o tabaco pode provocar a morte a seis milhões de pessoas em todo o mundo no próximo ano (2010). Em 2020, o número vai aumentar para sete milhões e para oito milhões em 2030, de acordo com o novo atlas do tabaco apresentado pelos especialistas norte-americano.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define o tabagismo como uma doença transmissível que se transmite através de publicidade, promoção e patrocínio. Segundo os dados da OMS, o tabaco mata anualmente mais de cinco milhões de pessoas em todo o mundo, e mais de metade destas mortes ocorre em países em vias de desenvolvimento, como é o caso de Moçambique.

No caso concreto de Moçambique, embora os dados sobre mortes por consumo de tabaco sejam escassos, especialistas na área de doenças cancerigenas aplaudem o decreto 11/2007 de 30 de Maio do Conselho de Ministros que baniu a publicidade de tabaco em todos os meios de comunicação social, em painéis, cartazes, em murais, entre outros.

É verdade que o decreto em si não resolve o problema, daí a necessidade do empenho de quem de direito na sua fiscalização e a colaboração de todos os moçambicanos para a redução do consumo do tabaco. Em Portugal, por exemplo, os números apontam para cerca de 12 mil mortes por ano provocadas pelo consumo de cigarros, segundo o Observatório Nacional das Doenças Respiratórias.

Teles Araújo, do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias, é citado pelo jornal Diário de Noticias (DN)como tendo dito que os cigarros são a primeira causa prevenível de cancro. Um terço dos seis milhões de mortes previstas serão devido ao cancro. Em Portugal, pensa-se que “11 por cento dos fumadores desenvolvem cancro do pulmão”, indica, por seu turno, Ricardo da Luz, presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia (SPO), também citado pelo DN.

Mas o cancro não é a única causa de morte dos fumadores. Também as doenças cardiovasculares e pulmonares foram tidas em conta no estudo mundial. Por isso, o presidente da SPO lembra que “não fumar é a primeira forma de evitar doenças”. O especialista considera ainda que os fumadores estão conscientes dos problemas de saúde associados ao tabaco. Porém, “têm uma certa tendência a esquecer isso, para não pensarem que são os responsáveis pelo próprio problema de saúde”, acrescenta.

Conhecido o efeito dissuasor da aplicação da lei do tabaco, Ricardo da Luz refere que “é necessário que as leis sejam mais restritivas”. “Tudo o que contribua para a diminuição do consumo de tabaco é fundamental”, adianta. Em Portugal, o consumo de cigarro em locais públicos foi banido em Janeiro de 2008.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!