Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Uma doença e muitos preconceitos

Epilepsia

É uma doença que resulta de descargas eléctricas excessivas entre as diferentes células (chamadas neurónios) que constituem uma parte do nosso cérebro denominada substância cinzenta.

Dessas descargas resultam ataques (o termo médico é crises) que se manifestam, regra geral, por contracções (o termo médico é convulsão), visíveis ou não, dos músculos de uma parte apenas, ou de todo o corpo. No entanto, o ataque pode ser completamente diferente e ser constituído apenas por uma paragem (o termo médico é ausência) de curta duração, da actividade normal (falar, comer, etc.) da pessoa, de apenas alguns segundos de duração, pela realização de movimentos (o termo médico é automatismos) realizados inconscientemente (piscar os olhos, esfregar as mãos, andar, etc.), ou, ainda, pela percepção de cheiros estranhos, ou pela visão de luzes ou imagens irreais.

A epilepsia nem sempre é uma doença e não é contagiosa.

As crises epilécticas podem manifestar-se segundo variadas formas, desde a perda momentânea de atenção até às mais graves convulsões. Muitas crises são breves e raras. Entre crises, as pessoas são normais e saudáveis, na maioria dos casos.

A grande maioria das pessoas que têm epilepsia consegue controlar as suas crises tomando medicamentos antiepilépticos. Muitas pessoas reagem mal “ a doença” por causa dos seus preconceitos. É por este motivo que a epilpesia pode arrastar consigo problemas psicologicos e sociais. As pessoas com epilepsia são, por vezes, vítmas de erros de interpretação e de rejeição por parte da família e dos seus amigos; muitas vezes tem dificuldades em arranjar emprego; sentem insegurança, angústia ou frustração.

As crianças menores podem ter convulsões quando estão com febre, nestes casos são chamadas convulsões febris, não representam Epilepsia.

 

O que é a epilepsia?

A epilepsia ou polularmente conhecida como doença da lua, é uma doença que tem ponto de partida uma perturbação do funcionamento do cerébro. As manifestações mais importantes da epilepsia são os “ ataques” – epilépticos”- crises.

A duração dos “ ataques” pode ir de segundos a minutos e raramente ultrapassa os 15 minutos.

Os ataques ou as crises têm tendência a repetir-se ao longo do tempo sendo contudo a frequência variável de doente para doente.

 

Quais são as causas de epilepsia?

 

Numa grande parte das epilepsias não é possível determinar uma causa. Esta doença apresenta uma forma de epilepsia que se chama primária, e que tem uma certa tendência a aparecer na mesma família.

Por outro lado, qualquer que atinge o cerébro pode ser um ponto de partida para as crises epilepticas. A esta epilepsia chamamos secundária, não sendo, em geral, transmitidas de pais para filhos.

 

De que forma se manifesta a epilepsia?

 

A epilepsia pode manifestar-se com crises de características diferentes:

– Crises parciais simples: estas manifestam-se através de contrações simples e repetidas de membros ( braço, perna) ou da face.
– Crises parciais complexas: neste tipo de crises as actividades dos indivíduos são perturbadas subitamente.

 

Tratamento e cura da epilepsia

 

Muitas formas de epilepsia evoluem espontaneamente para a cura na sua maioria. As crises podem ser controladas com tratamento apropriado, incluindo-se aconselhamento psicológico e ou outros técnicos de saúde.

 

para conhecer melhor a epilepsia saiba que:

  • Os doentes devem trabalhar como qualquer outra pessoa, mas precisam de escolher um profissão que não ponha em risco a sua intergidade física ou de o outrém, em caso de uma crise.
  • As pessoas com epilepsia, se estiverem bem tratadas, podem casar e ter filhos; mas antes devem decidir ter um filho, consultando um médico ou outros técnicos de saúde.
  • A mãe com epilepsia, quando medicada pode e deve amamentar o seu bebé. Por outro lado, a mulher com epilepsia pode tomar a pilula ou usar outros medicamentos anticoncepcionais, desde que consulte previamente os Técnicos de saúde.

 

O que fazer perante uma crise?

 

Nas convulsões pequenas de queda ou crise apenas com perturbações de consciência deverá:

  • Proteger de eventual perigo durante a crise.
  • Prestar apoio a vítima até à recuperação completa da consciência

Nas crises com queda ou convulsões generalizadas deverá:

  • Manter a calma;
  • Evitar com que o doente bata com a cabeça, segurando-o com as mãos se necessário;
  • Tentar deitar o doente de lado para evitar se engasgar;
  • Dar-lhe o devido apoio até à recuperação de consciência;
  • Se a crise demorar mais do que 5 minutos e não conhecer o doente, chamar uma ambulância ou levá-lo ao Centro de saúde mais proximo

 

Crenças injustificadas sobre a epilepsia

 

Em algumas localidades do nosso país as pessoas julgam que a epilepsia (doença da lua) é resultado de feitiço e por isso levam os epilépticos ao curandeiro. Isso não é verdade. A epilepsia é uma doença natural. Os epilépticos devem ir ao Centro de Saúde para obterem tratamento

 

CONSELHOS ÚTEIS

Durante as crises:

  • Não tente abrir a boca do doente
  • Não tente segurar a língua do doente
  • Não coloque nada na boca do doente
  • Não contrarie os movimentos do doente.
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!