Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tribos líbias protestam contra composição do novo governo

Alguns clãs líbios disseram, esta quarta-feira, que não reconhecerão o novo governo do país, cuja divulgação na véspera reavivou rivalidades regionais que ameaçam a ainda frágil estabilidade nacional após a deposição e morte de Muammar Khadafi.

Ao montar o novo gabinete sob o comando do primeiro-ministro Abdurrahim el Keib, o Conselho Nacional de Transição (CNT, o governo provisório) tinha a necessidade de equilibrar os interesses das diversas facções tribais, regionais e ideológicas, que tentam ocupar o vácuo deixado pelo fim dos 42 anos do regime Khadafi.

Em princípio, as principais facções não mostraram discordâncias com o novo gabinete. Até mesmo os políticos islâmicos, privados de qualquer cargo importante, não se queixaram. Mas os grupos menores mostraram-se negligenciados.

Pela manhã desta Quarta-feira, cerca de 150 pessoas ligadas às tribos Awagi e Maghariba protestaram em frente a um hotel de Benghazi (leste) que serve de sede para o CNT, segundo testemunhas. “Não a um governo de forasteiros!”, dizia um cartaz.

O autointitulado Conselho Amazigh Líbio pediu a suspensão de todas as relações com o CNT, em protesto contra o novo governo. Os amazighs (ou berberes) são uma minoria étnica perseguida no regime de Khadafi, e que agora pleiteiam um maior reconhecimento do seu idioma e da sua cultura.

“O congelamento temporário será efectivo até que o CNT reconcilie as exigências dos amazighs líbios”, disse o grupo em nota. As nomeações para o novo gabinete pareceram colocar as afiliações regionais acima da experiência de cada cargo.

A chancelaria, por exemplo, foi entregue ao obscuro diplomata Ashour bin Hayal, oriundo de Derna (leste), um tradicional reduto anti-Khadafi.

Havia uma ampla expectativa de que o posto seria ocupado por Ibrahim Dabbashi, embaixador-adjunto na ONU, que rompeu com Khadafi no começo do ano.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!