Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Transmissão vertical: Moçambique deve abandonar niverapina

Moç ambique precisa abandonar o tratamento de mulheres grávidas e infectadas pelo vírus de HIV com a niverapina se quiser acabar com os casos de transmissão vertical, isto é de mãe para filho. A posição foi defendida por Michel Sidibe, Director Executivo do Programa das Nações Unidas para a Sida (ONUSIDA), que se encontra de visita a Maputo.

A saída de uma audiência com o Primeiro-Ministro, Aires Ali, Sidibe disse a jornalistas que o uso deste medicamento continua a provocar muitos nascimentos de crianças infectadas pelo vírus quando o mundo já possui várias combinações para evitar que uma mulher grávida dê à luz um bebé contaminado. “Moçambique figura na lista dos 30 países em que 25 por cento das mulheres grávidas continuam a usar a niverapina para prevenir a transmissão vertical”, afirmou Sidibé, para quem o Governo deveria contemplar todas as mulheres grávidas nos actuais programas de tratamento com anti-retrovirais, que são eficazes.

Acrescentou ainda que por causa da persistência no uso deste medicamento, infelizmente, o país continua a registar cerca de 40 mil nascimentos por ano de crianças infectadas com o vírus de HIV. Mesmo sem indicar os números exactos, Michel Sidibé, citado pelo Jornal Noticias, afirmou que Moçambique continua a registar um elevado índice de infecções, o que obriga o Governo a melhorar as suas políticas de prevenção e combate a esta doença. De referir que a Comunidade de Sant’Egídio já defendeu o mesmo posicionamento, considerando que Moçambique deve ser ousado e investir seriamente na prevenção da transmissão vertical.

A Comunidade de Sant’Egídio foi a pioneita no tratamento anti-retroviral (TARV) em Moçambique, introduzido em 2002, altura em que não havia esperança para as pessoas vivendo com o HIV/SIDA. Assim, os doentes de sida estavam condenados a morte. Segundo Paola Germano, da Comunidade de Sant’Egídio, o uso da niverapina é o mínimo que se pode fazer, porque este comprimido tomado apenas uma vez não produz resultados. Assim, Paola avançou a triterapia, que é a associação de três anti-retrovirais num único comprimido, que já se mostrou eficaz e permite simplificar o tratamento. Para ela, esta é uma boa alternativa à niverapina e garantia de que uma criança nascida de mãe seropositiva não esta igualmente infectada e seja saudável. Estima-se que existem no país 1,6 milhão de pessoas infectadas com o vírus causador da SIDA.

Neste momento, mais de 200 mil doentes de SIDA beneficiam do TARV e estima-se que mais de 500 mil carecem deste tratamento. O TARV é a grande esperança dos doentes de SIDA para prolongarem as suas vidas, visto que esta doença ainda não tem cura, nem vacina.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!