Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tolstoi, um génio da literatura

No dia 20 de Novembro de 1910, fez na semana passada cem anos, o conde Lev Nikolaievich Tolstoi morria, vítima de pneumonia, na estação ferroviária de Astapovo. Tinha 82 anos e era uma das figuras mais célebres da Rússia e da literatura mundial, autor de obras como Guerra e Paz, Anna Karenina, A Morte de Ivan Illitch ou A Sonata a Kreutzer.

 

 

Calcula-se que cerca de quatro mil pessoas assistiram ao funeral de Leon Tolstói, um número impressionante se se tiver em conta que as cerimónias decorreram na aldeia onde vivia, perto de Tula, e que as autoridades, devido às suas posições contra a Igreja Ortodoxa e contra o império russo, proibiram leitores e admiradores de viajarem de Moscovo ou São Petersburgo.

Nascido a 28 de Agosto de 1828 no seio de uma família nobre russa, Tolstói fica órfão de mãe aos dois anos e sete anos depois perde também o pai. Na Universidade de Kazan (em 1844) começa a sua educação formal. Três depois, abandona a universidade e mudase para Moscovo. Em 1852 começa a escrever o livro “Infância” e a “Adolescência” em 1854. De volta à sua terra natal (Isnaia Poliana) cria (1859) uma escola na sua propriedade onde lecciona de acordo com os seus ideais pedagógicos.

Era o escritor mais conhecido da sua época, fama que o tempo não esmoreceu. Da monumental “Guerra e Paz” à trágica “Anna Karénina”, passando pelas pequenas pérolas que são “A Morte de Ivan Iliitch”, “A Sonata de Kreutzer” ou “A Felicidade Familiar”, é um autor que atravessa modas e gerações, permanecendo como exemplo de precisão e mestria narrativa.

Desde muito cedo que lhe reconheceram o génio artístico e a sua capacidade única de efabular. Jogava com as personagens e as situações, sendo capaz de combinar uma visão épica com o ritmo e destino individual da personagem.

No entanto há um adjectivo que não é possível omitir quando se qualifica este escritor: cristão. O homem Tolstói e o escritor Tolstói (nem sempre em sintonia), numa viagem a Moscovo fica chocado com a pobreza da grande cidade. “Não pode ser, assim não pode ser” – diz. Tem necessidade de fazer algo, a incapacidade consome-o. A mulher (casa com Sophia Behrs em 1862 e teve mais de uma dezena de filhos) tenta consolá-lo.

Com o tempo Tolstói afasta- se cada vez mais da mulher e começa a ter desprezo pelos apetites carnais. Está convencido que o prazer sexual “é um grave defeito”. No livro “A Sonata de Kreutzer” prega a relação casta no casamento, no entanto Sophia dá à luz “o seu décimo terceiro filho. Contradições…” . Uma vida cheia de dilemas… Preocupava-o a miséria alheia e decide fugir do conforto de sua casa e vai viver para longe de Isnaia.

“Parece-me poder considerar, sem erro, como objectivo da minha vida a aspiração consciente de um completo desenvolvimento de todo o ser. Seria o mais infeliz dos homens se não encontrasse um objectivo para a minha vida, um objectivo geral e útil; útil, porque a alma imortal, ao desenvolver-se, passa naturalmente a um ser superior e mais correspondente à sua natureza” (In: “A Raiz do Mal” de Tolstói).

Depois da profunda crise espiritual que o atormenta, converte-se ao cristianismo e decide adoptar uma vida de pobreza e simplicidade. A Tolstói nada resta senão escrever. Publica: “A Morte de Ivan Iliitch”, “A Sonata de Kreutzer”, “Senhor e Servo” e “Ressurreição”.

Em 1901, na sequência da sua obra “Ressurreição”, em que expõe a sua própria concepção da religião, é excomungado pela Igreja Ortodoxa Russa. Perante este facto responde: “Não partilho, é verdade, a fé do Santo Sínodo, mas creio em Deus, que para mim é o espírito, o amor, o princípio de todas as coisas”. Também o governo passa a considerá-lo uma ameaça e muitos dos seus livros são proibidos.

Um ano antes de morrer decide deixar os direitos de publicação das suas obras e diários ao seu amigo Chertkov (um ex-oficial do exército com quem trava profunda amizade desde 1883). A sua mulher e este discípulo travam uma discussão em torno do “Diário Íntimo de Tolstói”, que deve ser publicado depois da sua morte. No ano da sua morte e com 82 anos viaja pela Rússia de comboio. As más condições da sua viagem acabam por fazê-lo adoecer.

No seu diário explica a “a vontade terrível de partir”: “A minha alma aspira, com todas as forças, ao repouso, à solidão, para viver em harmonia com a minha consciência, ou se isto não é possível, para fugir ao desacordo gritante que existe entre a minha vida actual e a minha fé”. Por sua vez, Henry Troyat, biógrafo de Tolstói, escreve: “O seu drama é o de não se poder evadir de uma felicidade material que ele condena”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!