Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tentativa de sabotagem de Cahora Bassa

Foram, formalmente, acusados de tentativa de sabotagem da Barragem Hidroeléctrica de Cahora Bassa os quatro estrangeiros detidos em Março passado em ligação com o caso. O facto foi confirmado à BBC pelo advogado dos indiciados, Hermínio Nhantumbo.

Os indivíduos ora detidos continuam a protestar a sua inocência. Trata-se do mais recente desenvolvimento de um dos casos mais mediatizados das últimas semanas. Os quatro estrangeiros – um português, um alemão, um tswana e um sul africano – foram formalmente acusados, entre outros, de tentativa de sabotagem da Barragem de Cahora Bassa, na província de Tete.

Contra eles pesa a alegação de que um material, conhecido por orgonite, que foi surpreendido com o grupo a atirar para o rio Zambeze, sobre o qual está edificada a Barragem de Cahora Bassa, seria corrosivo. Outras acusações incluem contrabando e uma infracção administrativa. Os indivíduos ora detidos e formalmente acusados, insistem, no entanto, que a sua acção e presença em território moçambicano estariam simplesmente relacionadas com crenças sobre os poderes alegadamente especiais do produto em causa.

O advogado Hermínio Nhamtumbo, falando telefonicamente com o correspondente da BBC em Maputo, Eleutério Fenita, disse que é preciso esclarecer devidamente as coisas, e para isso confia na instrução contraditória.

“Não estou satisfeito com a acusação. Vou pedir a instrução contraditória e espero que, num curto prazo, venhamos a obtê-la, que é para ver se conseguimos trazer os quatro cá para fora. A minha pretensão é mostrar que não há matéria para que os meus constituintes continuem até agora presos! ” Disse o advogado dos quatro estrangeiros acusados de tentativa de sabotagem da Barragem Hidroeléctrica de Cahora, um dos principais pilares económicos e fonte de receita do Estado Moçambicano.

Caso os acusados sejam considerados culpados, poderão enfrentar penas, segundo um jurista, de 16 a 20 anos de prisão maior, conforme prevê a lei 19/91 de 16 de Agosto, que trata dos crimes contra a segurança do Estado.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!