Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Subsídios são “insustentáveis” no país

O governo moçambicano deve acabar com os subsídios aos produtos alimentares e promover o aumento da produtividade agrícola, defende o economista Rafael Uaiene, do Instituto Moçambicano de Pesquisa Agrícola.

Numa entrevista concedida, semana finda, à Voz da América, Rafael Uaiene referiu que os subsídios adoptados após os tumultos de Setembro passado podem tornar-se “insustentáveis”.

O recente aumento dos preços dos alimentos nos mercados internacionais constitui uma preocupação em Moçambique, onde os distúrbios de Setembro coincidiram com a subida dos preços dos bens essenciais.

Desde então, os subsídios estatais, que deverão ser revistos em Março, têm mantido a situação estabilizada. A subida dos preços deve afectar mais o trigo do que o milho e a mandioca, que são de produção nacional.

Mas especialistas como Uaiene, entendem que a continuação dos subsídios poderá criar uma situação insustentável e que Moçambique só se libertará deste problema com o aumento da produtividade agrícola.

O Banco Mundial alertou semana finda para a continuada subida dos preços nos mercados internacionais, afectando, sobretudo, os países mais dependentes das importações.

Devido ao aumento dos preços, mais 44 milhões de pessoas caíram no que o Banco classifica como “pobreza extrema”, ou seja, viver com menos de 1,25 dólares por dia.

O economista entende que os subsídios, “não devem ser permanentes”, mas observa que o objectivo de aumentar a produtividade é prejudicado pelo facto de a agricultura moçambicana ser de subsistência.

“Há limitações na tecnologia agrícola e na mão de obra e por isso a capacidade de expansão é limitada”, afirmou Uaiene defendendo a mecanização da agricultura Moçambicana.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!