Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Sociedade civil quer colocar governo entre “espada e parede” na Conferência Mundial sobre Mudanças Climáticas

A sociedade civil moçambicana que estará representada na próxima Conferência Mundial sobre Mudanças Climáticas, a de correr na cidade sul africana de Durban, entre os dias 28 de Novembro e 9 de Dezembro, promove esta quinta- feira, 17 de Novembro, em Maputo um acto público para a divulgação da posição que vai defender no encontro global. Refira-se, o Conselho de Ministros de Moçambique que esteve reunido ontem em Maputo, na sua quadragésima primeira sessão ordinária, apreciou e aprovou a posição do país à Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, mas pouco conhecimento público existe sobre a sua essência.

Entretanto, a sociedade civil representada pela União Nacional de Camponeses/Via Campesina e a Justiça Ambiental/Amigos da Terra Moçambique, já estão a tornar pública a sua posição à conferência, a qual será manifestadamente bastante crítica ao governo face a vários cenários relacionados com a matéria que será discutida em Durban.

Por exemplo, uma fonte ligada a União Nacional de Camponeses e a Justiça Ambiental fez saber uma das matérias que a sociedade civil moçambicana pretende abordar na conferência de Durban é a usurpação de terras aráveis e das culturas alimentares dos camponeses para produção de agrocombustíveis e monoculturas de árvores para exportação. A fonte adiantou, a contínua apropriação dos recursos moçambicanos, incluindo terra, água e outros recursos naturais e o licenciamento de poluidores para que continuem a poluir ao abrigo da REDD e outros mecanismos similares de compensação fazem parte do rol de questões que a sociedade civil moçambicana vai levantar em Durban.

A fonte sustentou essas preocupações, considerando o cenário em causa serve apenas para empurrar Moçambique e África para posições mais precárias pelo que deve ser rejeitado, pois corrói a justiça política, social, económica e ambiental de Moçambique e de todo o continente africano. Estas abordagens fazem parte do documento que também será apresentado no encontro público agendado para amanhã, em Maputo.

Na mesma ocasião, segundo soube O Autarca, far-se-á igualmente a apresentação e o lançamento oficial da Caravana Transafricana da Esperança, uma iniciativa continental que levará centenas de pessoas de diversos países de África a percorrerem milhares de quilómetros de estrada rumo a Durban, para juntar-se a outras milhares de pessoas que em Durban irão exigir justiça social e climática.

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas é um encontro mundial de negociações com vista a chegar a acordos que visem a redução das emissões de gases com efeito estufa, que têm levado o planeta a um aquecimento global e às alterações climáticas. Os acordos produzidos nas últimas duas reuniões desta natureza, em Copenhaga 2009 e em Cancun 2010, provam o não comprometimento dos governos para chegar a soluções confiáveis e sustentáveis para a mitigação das mudanças climáticas e redução drástica das emissões por parte dos países desenvolvidos.

 

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!