Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Sociedade civil adia marcha devido à fraca afluência de cidadãos

A fraca participação de cidadãos obrigou as organizações da sociedade civil a desistirem de marchar pacificamente esta terça-feira (25) em Maputo em repúdio contra a violência que se tem registado nos últimos dias na zona centro do país e que relembra os tempos de guerra.

Os promotores desta marcha agendada para esta terça-feira, a coincidir com a comemoração do dia da independência nacional, esperavam uma participação de cerca de trezentas pessoas, contudo esta expectativa foi gorada com a presença de menos de uma centena de cidadãos.

O desfile tinha em vista apelar à paz e exigir que as divergências políticas existentes entre o Governo moçambicano e a Renamo, o maior partido da oposição e também apontado como sendo protagonista destes actos macabros contra civis inocentes, sejam resolvidas através do diálogo e por cedências de ambas as partes.

Entretanto, após o anúncio da desistência, os participantes para não deixar a iniciativa passar em branco, optaram por manifestar a sua indignação e repúdio em relação aos ataques, protagonizados por homens armados, entoando hinos de louvor à paz.

Na ocasião, uma das promotoras da iniciativa, Benilde Nhalevilo, disse que a fraca adesão por parte de cidadãos fica a dever-se ao facto de esta ser uma “data complicada” em que as pessoas querem aproveitar o feriado para cuidar dos seus afazeres.

Ela avançou a possibilidade de as pessoas, algumas que poderiam estar nesta marcha, terem optado por participar numa outra que eventualmente estaria a acontecer hoje. “Algumas devem estar na praça dos Heróis a comemorar o dia da independência”, supôs.

Segurança garantida

A marcha ora adiada, e ainda sem data para decorrer, contava com um aparato significativo de segurança das forças policiais. Logo pelas primeiras horas da manhã, sete horas, desta terça-feira, agentes da Policiais da República de Moçambique, nomeadamente a Polícia de Trânsito, de Protecção, e da Polícia Municipal de Trânsito fizeram-se presente à praça da Independência, local onde deveria começar a caminhada, com vista a garantir a segurança dos cidadãos que iriam participar na marcha.

Refira-se que esta marcha foi tornada pública ontem, segunda-feira (24), durante a conferência de imprensa na qual as organizações da sociedade civil defenderam, entre outros aspectos, que nenhum conflito, divergência ou diferença deve estar acima do direito à vida, à dignidade e à paz, direitos universalmente consagrados e reconhecidos pela Constituição da República de Moçambique.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!