Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Sem acção concreta, Obama e Putin pedem calma na Síria

Os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e da Rússia, Vladimir Putin, concordaram, Segunda-feira, sobre a necessidade de conter a violência na Síria, mas sem demonstrarem sinais concretos de que irão afinar as suas diferenças a respeito de sanções mais duras contra Damasco.

Os diplomatas trocaram, última semana, recriminações que evocavam a Guerra Fria, e a cúpula do G20 no México serve de teste para as relações entre os dois líderes e para a busca de pontos em comum a respeito da Síria e de outras divergências.

Obama e Putin conversaram durante cerca de duas horas, tempo superior ao previsto inicialmente. Na entrevista colectiva posterior, os dois tinham o semblante carregado.

“Concordamos que precisamos de ver um cesse da violência, que um processo político precisa de ser criado para evitar uma guerra civil”, disse Obama. “Do meu ponto de vista”, completou o russo, “encontramos muitos pontos em comum acerca dessa questão”.

A Rússia é a mais importante aliada externa do presidente sírio, Bashar al Assad, e, junto com a China, usa o seu poder de veto para impedir qualquer acção do Conselho de Segurança da ONU com vistas a interromper a violenta repressão dos últimos 15 meses a um movimento por democracia.

Putin suspeita das motivações dos EUA, especialmente depois da intervenção militar ocidental do ano passado que ajudou a derrubar outro aliado de Moscovo, o líder líbio Muammar Khadafi.

Embora Washington não demonstre apetite por uma nova intervenção como a da Líbia, a Rússia reluta em abandonar seu aliado Assad, tradicional comprador das suas armas.

A sua eventual queda poderia levar a Rússia a perder a sua última presença importante no Oriente Médio, o que inclui a ocupação de uma base naval no Mediterrâneo.

Obama e Putin tiveram no balneário mexicano de Los Cabos o seu primeiro encontro desde que o russo reassumiu a Presidência russa, e num momento de tensão agravada na Síria, depois de a ONU retirar, fim-de-semana, os observadores que deveriam monitorar um fracassado cessar-fogo.

Pelo menos em público, os dois líderes evitaram salientar as suas diferenças. Quando os jornalistas entraram no salão do hotel, Putin e Obama estavam inclinados, terminando uma conversa, sem sorrisos.

Obama então iniciou um aperto de mãos, com ambos sentados. Na sua vez de falar, Obama gesticulou algumas vezes na direcção de Putin, que por sua vez manteve-se o tempo todo rijo na cadeira.

No final das declarações, os repórteres foram retirados da sala, e os dois presidentes permaneceram nos seus lugares, sem darem sinais de que voltariam a conversar.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!