Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Segundo ataque com carro-bomba em menos de um mês mata 32 na capital da Turquia

Um carro-bomba explodiu num lotado terminal de transporte em Ancara neste domingo, matando pelo menos 32 pessoas e ferindo mais de 75, no segundo ataque deste tipo perpetrado no centro administrativo na capital turca em menos de um mês. A explosão, que pode ser ouvida a vários quilómetros de distância, gerou uma chuva de detritos sobre a área localizada a poucas centenas de metros dos Ministérios da Justiça e do Interior, de uma corte superior e do antigo escritório do primeiro-ministro.

“Um total de 27 dos nossos cidadãos foram mortos quando um carro explodiu no Guven Park, em Kizilay, e cerca de 75 dos nossos cidadãos feridos foram levados para vários hospitais”, disse o gabinete do governador de Ancara em um comunicado.

Duas autoridades de segurança disseram mais tarde que o número de mortos subiu para 32 pessoas. Uma autoridade sênior de segurança disse à Reuters que as conclusões iniciais sugerem que o ataque tinha sido realizado pelo Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) ou um grupo militante afiliado, mas não houve reivindicação imediata de responsabilidade.

Um segundo oficial disse que o tiroteio foi ouvido após a explosão. Um tribunal de Ancara ordenou a proibição de acesso ao Facebook, Twitter e outros sites na Turquia depois de imagens da explosão foram compartilhados nas redes sociais, disseram as emissoras CNN Turk e NTV. Líderes europeus condenaram o bombardeio. O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse que estava “chocado”.

O chanceler francês, Jean-Marc Ayrault, descreveu como um “ataque covarde”.

A Turquia, membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte, enfrenta múltiplas ameaças de segurança. Como parte de uma coligação liderada pelos Estados Unidos da América, está lutando contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

A Turquia também luta contra militantes do PKK, onde um cessar-fogo dois anos e meio entrou em colapso em julho passado, desencadeando a pior onda de violência desde os anos 1990.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!