Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Publicidade

Se não houver medidas urgentes de combate à erosão o município de Nacala-Porto um dia “pode acordar no porto”

Se não houver medidas urgentes de combate à erosão o município de Nacala-Porto um dia “pode acordar no porto”

Imagem cedida pelo município de NacalaO município de Nacala-Porto é a primeira zona económica especial de Moçambique, particularmente devido ao potencial conjugado do seu porto de águas profundas e da linha férrea do Norte. Após mais uma das recentes chuvas que caíram, normais nesta época chuvosa que começa em Outubro e dura até Março, vários metros da reabilitada linha férrea, que agora conecta também a região mineira de Moatize, na província de Tete, ficaram suspensos devido à erosão dos solos onde estava assente. Várias estradas também ficaram intransitáveis e as crateras não param de crescer pelos bairros residenciais. “(…)Se não houver medidas preventivas o mais urgente possível podemos acordar no porto”, desabafa o edil Rui Chong Saw que de, entre os vários problemas que tem para resolver (falta de água, energia sem qualidade, desemprego, pobreza…), não tem dúvidas de que a erosão é o problema maior de todos.

“Eu não quero perder a minha cidade”, afirma o jovem edil que não só é natural do município como também se fez homem e empresário de sucesso graças ao potencial económico deste porto que é a porta de entrada, e saída, do ainda por explorar Corredor de Nacala.

O Plano Quinquenal, Plano Económico e Social, Projecto das Estratégias de Desenvolvimento Económico do Corredor de Nacala são algumas das ambiciosas promessas dos Governos do partido Frelimo mas que em termos práticos nem se referem a medidas reais para mitigar a erosão que é um flagelo antigo em Nacala-Porto.

Imagem cedida pelo município de NacalaNem mesmo do manifesto do actual edil o problema da erosão constou como prioridade, durante a sua campanha às eleições de 2013, Rui Chong Saw comprometeu-se, caso fosse eleito, em resolver o drama do acesso à água potável. Um problema por resolver, diga-se, quando faltam pouco mais de dois anos de governação.

Entretanto por mais que se tente ignorar a erosão está presente e agrava-se a cada nova intempérie. Talvez por isso o edil de Nacala-Porto tenha preparado um “plano de actividades prioritárias para o combate à erosão e construção da resiliência climática no município” e que está orçado em 1.087.608.119,00 meticais, um valor estranhamente não inscrito no Orçamento de Estado aprovado para 2016.

O custo mitigar a erosão não está previsto no Orçamento deste ano como não esteve nos dos anos anteriores embora o problema seja do conhecimento das autoridades há mais de três décadas, sem que nada tenha sido realizado para os mitigar.

“No período da época das chuvas de 1981/82, em que o regime de precipitação foi especialmente desfavorável – 3 dias de chuva contínua pouco intensa – sucederam os primeiros desastres que deixaram o núcleo urbano quase paralisado” refere o plano de actividades prioritárias para o combate à erosão e construção da resiliência climática que detalha os maiores estragos registados na altura e menciona a realização dos primeiros estudos de mitigação, entre 1983 e 1984, particularmente para proteger as grandes infra-estruturas já ali existentes.

Aumento rápido de investimentos na Zona Económica Especial poderá aumentar erosão

“Em termos de configuração, o Município de Nacala-Porto encontra-se afectado, na sua maior extensão, por erosão. Isto deve-se a pouca resistência dos solos e pelo facto de grande parte dos assentamentos urbanos, não urbanizados e semi-urbanizados encontrarem-se em áreas de declives acentuados (entre 5% á 10%)”, indica o documento municipal que também menciona que “os diferentes modelos climáticos estão a projectar um aumento na intensidade e frequência dos eventos de chuva, consequentemente, isto irá aumentar a erosão, sedimentação e inundações”.

Além disso “o aumento rápido de investimentos em consequência de Nacala ser uma Zona Económica Especial, as vezes em áreas vulneráveis a impactos futuros resultantes das mudanças climáticas poderá aumentar a vulnerabilidade e a sustentabilidade a médio e longo prazo deste investimento estimado em cerca de 3,163,639,730.19 USD se medidas concretas de adaptação e construção de resiliência ao clima não serem implementadas”, prevê este documento que estamos a citar e que foi elaborado em Fevereiro de 2016.

Foto de Adérito Caldeira“Já tivemos aqui uma visita inter-ministerial (do Ministério da Administração Estatal e do Ambiente) estamos a espera porque iriam levar ao Conselho de Ministros porque é uma questão de urgência”, afirmou o presidente do município de Nacala-Porto, durante uma visita de representantes da Agência Japonesa de Cooperação Internacional (JICA) e da embaixada nipónica em Moçambique, onde Ruca (como é carinhosamente conhecido o edil) aproveitou para apresentar não só o drama da erosão mas principalmente para pedir ajuda financeira para o viabilizar.

Ora o Conselho de Ministros reunido a 13 de Novembro de 2012 aprovou a “Estratégia Nacional de Adaptação e mitigação de mudanças climáticas”. Embora seja um documento que aborda de forma geral os desafios a serem enfrentados o mesmo constata que “Muitos e avultados investimentos habitacionais e de infra-estruturas, estão a acontecer em muitas cidades moçambicanas (Maputo, Matola, Nacala, Tete e Beira por exemplo), com implicações de longo prazo pelo que é importante assegurar que tais investimentos não sejam em vão, através da criação de mecanismos e oportunidades para torná-los mais resilientes às mudanças climáticas em todas as suas fases de implementação: planificação, execução e operação.”

Foto de Adérito CaldeiraEstão em curso no Corredor de Nacala 48 projectos considerados “essências” pelo Governo, orçados em vários milhões de dólares norte-americanos que a julgar pelo que é visível a cada nova chuva ou ventania não são resilientes às mudanças climáticas.

Um deles foi o “projecto para reabilitação urgente do porto de Nacala”, custou aproximadamente 32.600.000 dólares norte-americanos, num financiamento reembolsável da JICA, um valor que por ironia chega e sobra para primeiro resolver os problemas de erosão e só depois então investir em mais infra-estruturas, essas que devem estar preparadas para o impacto das mudanças climáticas que se prevê tornem-se cada vez mais fortes.

 

* Este artigo foi escrito no âmbito de uma viagem organizada pela Embaixada do Japão
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!