Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rúben acabou por resolver sozinho

Sozinho resolveu. Rúben deu o segundo triunfo aos canarinhos, no campeonato, desde 7 de Abril, desde um 5-0 imposto com categoria ao Atlético Muçulmano. No seu reduto, a resolução apareceu logo a abrir, pelo médio criativo Rúben a passe de Tó. Rui Évora procedeu algumas mudanças na equipa inicial, desfez a sociedade Josimar-Rúben e o segundo fez-se ouvir com um golo e uma assistência que valem a estreia do técnico a vencer com os canarinhos no campeonato. O primeiro golo foi cheio de oportunidade, no segundo, um excelente passe para Tó fazer o golo da tranquilidade.
Havia dúvidas quanto à imagem que o Costa do Sol iria mostrar. O jogo com o Textáfrica, em Chimoio, demonstrou uma equipa capaz, uma formação que reencontrara auto-estima. Nesta noite, no seu reduto, houve mais de Costa do Sol que bateu o Atlético do que o do jogo com o Textáfrica. Ainda assim, realce para a vitória, urgente nesta fase. O bom futebol precisa mais tempo. Prioridade aos resultados, portanto.

Rúben num extremo, Antoninho no outro

O primeiro tempo explica-se numa curva descendente. Rúben voltou a ser feliz logo aos 13 minutos, no primeiro pontapé que teve no jogo. Os canarinhos tinham sede de vitória. Porém, o Costa do Sol não sustentou a boa entrada com 45 minutos de qualidade. Pelo contrário, deixou o Matchedje equilibrar, sofreu sustos e agarrou-se até ao intervalo à vantagem conquistada pelo camisola dez.
O esquema de três centrais do Matchedje assentava muito no que os homens do ataque, Matofa e Cúfa, podiam fazer, perante um inédito 4x4x2 canarinho. E se o segundo não teve pernas para Rúben no golo, Leonel pôs João e Kito em sentido, com saídas rápidas para o ataque. Num lance desses, serviu Julinho que quase igualava. Aí, o extremo oposto a Rúben resolveu também: Antoninho fez uma excelente defesa e evitou o 1-1… pela primeira vez.
O desempenho das equipas caiu a partir de então. Valia a inspiração de Rúben ao Costa do Sol, e uma decisão polémica de Aníbal Armando, árbitro principal, que assinalou fora-de-jogo a Tó, quando este atirou para o fundo das redes de Zacarias. Desde esse ponto até ao intervalo, apenas uns remates mal direccionados.

O show de Rúben

O Costa do Sol voltou a entrar melhor na etapa complementar. Rúben exigia atenção redobrada, mas Nacir Armando não conseguiu encontrar antídoto para o pequeno grande jogador. O 10 podia ter resolvido a partida, mas o ponto final seria colocado mais tarde, com o golo de Tó. Antes disso, o Matchedje rondou a baliza canarinha, que Antoninho defendeu de forma espantosa, após remate de Leonel. Ainda não se sabia, mas esse foi praticamente o último suspiro dos militares.
O Matchedje, uma equipa que sente-se bem quando não tem de atacar foi, daí em diante, uma formação de vontade vontade, o Costa do Sol, embalado pelo endiabrado Rúben, poeta do bom futebol, aproveitou a superioridade e ganhou terreno. Rúben voltou a dar o golo a Diogo, mas este desperdiçou.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!