Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rom Houben esteve 23 anos preso dentro do seu corpo

Durante 23 anos, o belga Rom Houben esteve preso dentro do seu corpo. O seu cérebro funcionava normalmente, ouvia tudo o que lhe diziam, mas não podia mexer-se nem falar.

O seu pesadelo acabou quando um neurologista usou um inovador sistema de monitorização e percebeu que o cérebro de Rom estava a funcionar quase normalmente. Nesse dia, Rom voltou a nascer. Em 1983, Rom Houben, então um jovem estudante de Engenharia e amante de desportos de combate, sofreu um acidente de viação. O seu coração parou e o seu cérebro ficou privado de oxigenação durante vários minutos. A partir dessa altura, o seu corpo ficou paralisado e oficialmente em coma.

Mas o diagnóstico dos médicos foi demasiado precipitado. Apesar de completamente imóvel, Rom conseguia ouvir tudo o que lhe diziam. Ouvia os médicos falarem do seu estado de saúde e ouviu a mãe comunicar-lhe a morte do pai. Ouviu tudo isto sem poder chorar nem mexer a cabeça. Estava consciente e com um cérebro a funcionar, mas nunca conseguiu que o seu corpo comunicasse esse facto. “Eu era apenas a minha consciência, e nada mais”, disse Rom citado pela AP. Tudo mudou há cerca de três anos.

O neurologista Steven Laureys, da Universidade de Liege, que decidiu experimentar uma nova abordagem aos doentes em coma, libertou-o da sua tortura. Usando um inovador sistema de monitorização da actividade cerebral através de ressonância magnética percebeu que o caso de Rom era o de um falso coma. “Nunca esquecerei o dia em que me “descobriram”.

Foi o meu segundo nascimento”, disse à revista alemã Der Spiegel, que trouxe o caso a público. Nos últimos três anos, Rom, agora com 46, foi submetido a intensas sessões de fisioterapia e já conseguiu recuperar algum movimento. Comunica através de um ecrã táctil, acoplado à sua cadeira de rodas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!