Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Reconstrução pós- cheias poderá custar 517 milhões de dólares

A reconstrução de Moçambique após as cheias registadas nos primeiros meses deste ano poderá custar cerca de 517 milhões de dólares norte-americanos, segundo uma avaliação mais actualizada anunciada pelo governo.

Falando, semana passada, em Maputo, o Ministro da Planificação e Desenvolvimento, Ayuba Cuereneia, disse que, deste montante, cerca de 353 milhões de dólares será para a reconstrução no sector público, enquanto cerca de 164 milhões constituem as necessidades do sector privado.

“Como se pode vislumbrar, pela elevada soma necessária para fazer face a reconstrução, o País embarcará por um processo de reconstrução faseado num horizonte temporal de três anos”, disse Cuereneia, falando durante a reunião com parceiros que apoiam o orçamento do Estado, realizada na semana passada.

No seu informe aquando do início da presente sessão da Assembleia da República (AR), o parlamento moçambicano, o governo disse que os dados preliminares dos danos provocados pelas chuvas indicavam a necessidade de pelo menos 9.7 biliões de Meticais (o correspondente a 322 milhões de dólares) para a fase de reconstrução.

Deste montante, o equivalente a 309 milhões seria usado para as necessidades do sector público e 13 milhões para o sector privado. No sector público, o valor seria necessário para as áreas de assistência alimentar, reassentamento das famílias afectadas, infra-estruturas de água e saneamento, educação, saúde, inserção social e vias de acesso.

Refira-se que as cheias registadas este ano nos meses de Janeiro e Fevereiro e que afectaram mais de 478 mil pessoas provocaram a morte de 117 pessoas, mais de 172 mil deslocados, entre outros estragos.

Semana passada, o Banco de Moçambique anunciou a revisão das iniciais projecções macroeconómicas para este ano, com a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto a reduzir de oito para sete por cento.

Na sua intervenção, Cuereneia corroborou com o Banco Central afirmando que, face ao impacto das calamidades, o crescimento económico previsto para este ano de 8.4 por cento poderá registar um decréscimo de cerca de 1.4 pontos percentuais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!