Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Reclusos privados de água potável e a tomarem medicamentos fora do prazo

Pelo menos três reclusos da chamada cadeia de máxima segurança, vulgo BO, na Machava, arredores da capital moçambicana, Maputo, detidos desde o ano 2000, foram encontrados em 2007 a consumir água imprópria e um deles em coma por ter tomado medicamentos cuja validade expirara há dois anos.

Segundo o relator especial do Conselho dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o Direito de Toda a Pessoa Beneficiar do Mais Alto Nível Possível de Saúde Física e Mental, Paul Hunt, os detidos “não tinham acesso a condições sanitárias, água potável e recebiam apenas uma refeição por dia, constituída de feijão e arroz”.

Hunt revelou ainda, no seu relatório da visita que efectuou a Moçambique, que “guardas prisionais, frequentemente, disparam e matam prisioneiros”, contudo, as suas participações apresentadas ao Governo não tiveram nenhuma resposta do executivo moçambicano, segundo a Liga Moçambicana dos Direitos Humanos (LDH) no seu relatório sobre a situação dos direitos humanos em Moçambique, a ser apresentado, em 2011, em Genebra, à ONU.

Já Yakin Erturk, relator especial sobre Violência Contra a Mulher, Suas Causas e Consequências do Conselho dos Direitos Humanos da ONU, revelou no seu relatório de visita que, aproximadamente, mil mulheres e crianças são traficadas anualmente para a África do Sul e Suazilândia pelas fronteiras da região Sul e via Zimbabué. Revelou ter igualmente confirmado casos de “pessoas traficadas dos Grandes Lagos e Este da África a entrarem no Norte de Moçambique, via Malaui ou Tanzânia para seguirem para África do Sul”.

Outra participação de Erturk refere que raparigas moçambicanas são levadas a África do Sul com promessas de emprego naquele país, mas “obrigadas a prostituírem- se e a trabalhar forçadamente na Agricultura ou Indústrias”, ou ainda vendidas por entre 30 a 50 dólares norte-americanos cada.

“Os órfãos são, particularmente, vulneráveis devido às facilidades existentes na lei da adopção”, enfatiza aquele funcionário da ONU para, contudo, realçar que o Governo moçambicano tem tido esforços consideráveis no combate ao tráfico, incluindo uma campanha nacional contra o abuso da criança. Moçambique ractificou, a 20 de Setembro de 2006, a Convenção das Nações Unidas para Prevenção, Banimento e Punição do Tráfico de Pessoas, especialmente, Mulheres e Crianças.

Refira-se que o documento da Liga Moçambicana dos Direitos Humanos deverá ser apresentado na ONU como sendo da sociedade civil moçambicana, daí estar a ser apresentado e discutido por representantes seus em encontros promovidos pela LDH liderada por Maria Alice Mabota.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!