Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Reclusas de Ndlavela produzem frangos

Reclusas da Cadeia Feminina de Ndlavela, no Município da Matola, província de Maputo, no sul de Moçambique, estão envolvidas na produção industrial de frangos. Trata-se de uma iniciativa do Serviço Nacional de Prisões em parceria com a embaixada da Dinamarca em Moçambique, com duração de cinco anos, desenvolvida no âmbito da reinserção social da população prisioneira.

A iniciativa foi lançada na passada quarta-feira (8) com a introdução de 35 mil pintos. Neste projecto estão envolvidas as empresas Higest e a Mbio. De referir que Higest deverá comprar toda a produção para a sua posterior colocação no mercado, revertendo os fundos equitativamente para o sector das prisões e para a própria empresa, no âmbito de um contrato com o Serviço Nacional de Prisões.

O projecto prevê actividades de formação em matéria de criação de frangos para as reclusas, assim como para a população que vive nas cercanias da Cadeia Feminina de Ndlavela. A AIM apurou que se espera, no fim de 12 meses, ter seis lotes de 35 mil pintos cada.

Durante a cerimónia de lançamento do projecto, o vice-ministro da Justiça, Alberto Nkutumula, explicou que este projecto poderá ser alargado a outros estabelecimentos prisionais do país. Actualmente, as cadeias moçambicanas comportam uma população prisional de aproximadamente 15 mil reclusos e o Ministério da Justiça estuda neste momento a aplicação de medidas e penas alternativas à prisão visando o seu descongestionamento, dado representarem um encargo anual de seis milhões de dólares.

“A criação de frangos é apenas uma parte de uma série de actividades visando a preparação da reinserção social da população prisional após o cumprimento da pena. Com o dinheiro que elas vão conseguir neste projecto, poderão juntar para abrir um negócio quando saírem da cadeia”, disse.

O projecto é financiado pela Embaixada da Dinamarca, através da Agência Dinamarquesa para o Desenvolvimento Internacional (DANIDA), no valor de 400 mil dólares norte-americanos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!