Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rainha Avelino (1969 – 2013)

A morte, sempre inoportuna, mais uma vez surpreendeu-nos ao devorar uma das nossas mais queridas irmãs. Faleceu, no passado dia dois de Janeiro de 2013, a cantora moçambicana Rainha Avelino.

A artista, que era uma referência cultural incontornável no distrito de Vilankulo, em Inhambane, e uma das finalistas do Ngoma 2011, encontrou a morte na quarta-feira da semana passada, vítima de doença. Os seus restos mortais foram a enterrar no dia cinco de Janeiro na sua terra natal, Vilankulo.

Ela foi uma das figuras de destaque numa recente entrevista concedida à “Diálogo” pelo cantor beirense Raul Chissico, tendo este dito que actuou com ela no mesmo palco em espectáculos alusivos ao dia 7 de Abril e 25 de Junho no ano passado.

A cantora interpretava temas de intervenção social, facto que a levou a atrair a simpatia de ouvintes da Rádio Moçambique, em particular, e dos amantes da música moçambicana, de um modo geral.

Sobre a sua morte, a “Diálogo”, citada pelo Diário de Moçambique, entrevistou telefonicamente Raul Chissico, o qual foi colhido de surpresa com a notícia, tendo lamentado a perda física de Rainha Avelino. O artista recordou que ela viveu durante um longo período na cidade de Maputo, onde desenvolveu a sua carreira e chegou a conseguir um patrocínio para a edição de um disco.

De acordo com aquele músico, nas suas canções, a perecida falava também das riquezas marítimas de Vilankulo.

O funeral, bastante concorrido e antecedido de um cortejo que percorreu as principais artérias da vila municipal de Vilankulo, ficou marcado pela presença de individualidades do panorama socio-político e cultural do distrito. Por exemplo, Mr. Kevas e Damião, alguns dos músicos que estiveram presentes na cerimónia fúnebre, consideram que o país e Vilankulo, em particular, perderam uma das suas filhas mais queridas.

Recorde-se de que ela abraçou a música em 1999, nos estúdios da Rádio Moçambique. Nos anos 2001 e 2003 foi finalista do Ngoma Moçambique e Top Feminino promovidos por aquela estação emissora. Rainha Avelino pereceu aos 44 anos, deixando um viúvo e quatro filhos.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!