Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Quarenta e cinco malawianos ilegais detidos em Chimoio

A Policia moçambicana (PRM) deteve, Domingo último, 45 malawianos na cidade de Chimoio, a capital da província central de Manica, depois de se ter constatado que eram ilegais.

Belmiro Matadiua, Porta-voz do Comando provincial da PRM, disse que os malawianos, que se faziam transportar numa viatura de marca Mitsubishi, com capacidade para três toneladas, foram detectados na zona do Pungue, no distrito de Manica, e pretendiam alcançar a vizinha República da África do Sul.

O Porta-voz é citado pelo jornal “Diário de Moçambique” a revelar que o grupo era composto por um total de 54 malawianos. Destes apenas nove estavam em situação legal.

A Polícia, segundo Matadiua, esta a coordenar com as autoridades nacionais de Migração para o repatriamento dos ilegais. Malawi atravessa uma crise sócioeconómica, factor que origina uma onda de protestos, sobretudo, contra o Governo de Bingu wa Mutharica.

A polícia aventa a possibilidade de as imigrações ilegais acontecerem por uma questão de procura de melhores condições de vida por parte dos malawianos, que enfrentam, no seu país, uma situação de carestia de vida, originada pela subida do custo de bens essenciais, com particular reparo para os combustíveis.

Este é o segundo grupo de ilegais malawianos detidos naquela parcela do país. Em Julho último foram neutralizados 64, entre os quais três mulheres, que alegadamente seguiam, igualmente, para a África do Sul.

Dias antes, um outro grupo de 107 malawianos ilegais, que integrava sete mulheres, escalou a cidade de Chimoio, numa operação de repatriamento, depois de ter sido neutralizado em Maputo, quando seguia em duas viaturas, em condições precárias, supostamente com destino à África do Sul.

O porta-voz apelou a colaboração popular para se acabar com a imigração ilegal, particularmente naquela província do país, que nos últimos momentos é usada como corredor.

“Não obstante as justificações dos praticantes, o mais importante é que se continue a estabelecer mecanismos eficazes, no controlo das fronteiras, para que os recursos naturais de que a província, em particular, possui não sejam delapidados por estrangeiros”, explicou a fonte policial.

Para além de malawianos, a província de Manica tem sido um corredor preferencial de ilegais dos países idos dos grandes lagos, com particular destaque para somalis, que não raras vezes tem sido surpreendidos nas matas à procura de oportunidade para transporem, por exemplo, a fronteira de Machipanda, para chegarem ao Zimbabwe e depois entrarem para a África do Sul.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!