Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

Província de Maputo terá nova fábrica de cimento este ano

Ministro da Indústria e Comércio durante visita à Dugongo Mozambique Cement

A partir de Novembro do corrente ano, o mercado nacional vai beneficiar de mais 1.800 toneladas de cimento, por ano, com a entrada em funcionamento da Dugongo Mozambique Cement, uma fábrica deste produto em construção no distrito de Matutuine, na província de Maputo.

Orçado em 330 milhões de dólares norte-americanos, o empreendimento, cuja fase de execução das obras se encontra a 90 por cento, vai contribuir para a estabilização do preço do cimento em Moçambique.

No quadro do acompanhamento ao estágio de desenvolvimento do sector da indústria e comércio, o ministro do pelouro, Carlos Mesquita, visitou, quinta-feira, 9 de Julho, aquele projecto económico, tendo-se mostrado satisfeito com a sua evolução: “Neste momento, a execução da obra está a noventa por cento, o que nos encoraja bastante. Reconhecemos que esta fábrica, quando iniciar a produção, vai sem margem de dúvida, imprimir maior dinâmica e fazer a diferença na produção de cimento no País”, disse Carlos Mesquita.

Além de possuir uma capacidade de produção de cerca de 1.800 toneladas, por ano, segundo garantiu o governante, tem ainda uma enorme vantagem, porque todas as matérias-primas necessárias para a produção do cimento encontram-se nesta região de Matutuine, onde a obra se encontra localizada.

“É uma fábrica amiga do ambiente, com níveis de poluição praticamente zero. Está dotada de um sistema de recolha e tratamento de poeira, que permite a sua reutilização no processo de produção, o que é muito bom para o meio ambiente”, frisou.

Agradou também ao ministro o facto de o projecto contemplar a utilização do carvão mineral, para alimentar a central eléctrica, que vai fornecer energia eléctrica à fábrica: “É um produto que Moçambique tem. Agora estão a importar da África do Sul para a fase experimental.

Entretanto, decorrem démarches, com vista à aquisição do carvão produzido em Moatize, na província de Tete”, indicou. Em termos logísticos, acrescentou, pode-se utilizar a cabotagem marítima para fazer chegar o carvão de Moatize a Matutuine, o que contribuirá, certamente, para a produção de energia a preços competitivos, tornando, consequentemente, a comercialização do cimento a preços também competitivos.

Segundo consta, o “clinker” a ser produzido pela Dugongo Mozambique Cement, para além de ser localmente usado para a produção do cimento, vai também ser vendido a outras unidades fabris que operam no País, cuja maioria tem estado a importá-lo de outros mercados externos.

Ainda no mesmo dia, Carlos Mesquita visitou as extensas plantações de bananas do Grupo Bananalândia, localizadas no distrito da Namaacha, na província de Maputo, cuja produção é, na sua maioria, exportada para o mercado sul-africano.

Neste projecto agrícola, o ministro, após congratular o investidor pela aposta na diversificação de produção em curso, apelou, por outro lado, para que se faça constar das embalagens da fruta a origem do produto, fazendo valer o orgulho nacional por um produto de qualidade internacional.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!