Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Procurando verdade

Veneno contra a monotonia

 

Os Verdadeiros Heróis

Há pequenas coincidências que dão muito jeito. Ia o cronista contar-vos que se lembrou de Rosa Parks enquanto ouvia o primeiro discurso de Barack Obama, enquanto Presidente dos Estados Unidos, quando descobre que o dia do nascimento desta senhora é o dos Heróis em Moçambique.

A Rosa Parks foi aquela senhora que, em 1955, na cidade de Montgomery, no estado do Alabama, se recusou a cumprir a lei que determinava que um negro teria que dar o seu lugar sentado num autocarro a um branco. Um pequeno salto de um pardal separa, historicamente, esse dia do da eleição de Obama.

Não vou cansar o leitor sobre o que acho ou deixo de achar, sobre o que se espera deste homem, o fardo que ele carrega, as, provavelmente, demasiadas esperanças nas suas capacidades ou a capacidade que um só homem – mesmo sendo Presidente da maior potência mundial – tem de mudar o mundo. Apenas lhe digo que no dia em que Obama foi eleito me lembrei, também, da sentença de James Joyce acerca dos piers (línguas de areia) nova-iorquinos. Dizia o escritor irlandês que estes piers eram como pontes arrependidas de continuar a avançar pelo rio adentro. Eu senti as pontes a avançar.

Avançaram, também, naquele dia em que Rosa Parks não se levantou do seu lugar ou quando o Comandante “Scully” conseguiu amarar o avião que pilotava, só o abandonando quando o último passageiro saiu. São estes os meus heróis. Não aqueles grandes líderes, políticos, escritores, futebolistas, pintores, militares, filósofos. Nada disso. Aquele que trabalha de sol a sol por pouco dinheiro e ao fim da noite ajuda a construir a casa do seu vizinho. O homem sem instrução que sente a injustiça e arriscando o seu próprio conforto revolta-se. A mulher que partilha a pouca comida da sua mesa com os filhos com fome da sua irmã.

Podem não ser estes que têm direito a nome de praça ou de fotografia nas escolas mas são estes que fazem as pontes avançar no rio da indiferença e da intolerância.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!