Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Problemas técnicos e financeiros inviabilizam construção de refinaria para gás doméstico

Moçambique precisa de investir numa torre de destilação para a produção de gás de cozinha, a partir do gás natural, o que ainda não foi possível por várias razões, incluindo técnicas e financeiras.

O Ministro da Energia, Salvador Namburete, que revelou o facto, esta semana, no parlamento moçambicano, escusou-se a revelar quando é que o país passará a contar com uma infra-estrutura do género, uma situação que deixa muitos moçambicanos perplexos, devido a subida do preço do gás doméstico, que está directamente associado à alta dos preços de petróleo no mercado internacional.

Como produtor e exportador do gás natural, os moçambicanos sempre sonharam usufruir das suas reservas de gás natural a um preço mais acessível algo que, infelizmente, ainda não aconteceu.

“Não é possível enchermos as botijas que usamos nas nossas cozinhas com o nosso gás natural no estado em que ele se apresenta. Para isso, precisamos de investir numa torre de destilação para produzir o gás de cozinha que se comercializa em botijas, o que ainda não foi possível por várias razões, incluindo técnicas e financeiras”, afirmou Namburete.

Ele explicou que o gás doméstico que Moçambique importa da África do Sul e que é comercializado em botijas, no país, é derivado do petróleo, “ razão pela qual a subida do preço do petróleo acaba influenciando o gás de cozinha.

Este esclarecimento do Ministro Namburete surge em resposta a algumas acusações, proferidas nos vários círculos da sociedade moçambicana, alegando que o país exporta gás natural em bruto para a África do Sul onde é processado para de seguida ser reexportado para Moçambique a um preço mais elevado.

O que existe, segundo Namburete, é um acordo com a petroquímica sul-africana, a Sasol, que resulta na exportação do gás natural moçambicano para aquele país vizinho, e ao abrigo deste mesmo projecto Moçambique recebe o mesmo gás, a partir do gasoduto de Ressano Garcia (fronteira com a África do Sul) para a cidade industrial da Matola, o qual é usado na indústria e viaturas.

Em Moçambique, os campos de gás natural que é exportado para a África do Sul estão localizados em Temane, na província meridional de Inhambane.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!