Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Presidente da AMB alerta perigo sobre acção da edilidade de vender areia removida do desaguadoro

O presidente da Assembleia Muncipal da Beira (AMB), Mateus da Cecília Saíze, afirmou que é com desagrado que o órgão autárquico que dirige assiste o conselho da circunscrição a remover areia no desaguadoro das Palmeiras para vender para construções na urbe.

Alertou, essa acção representa um grande perigo para a autarquia, explicando “estamos a diminuir cada vez mais a capacidade da própria costa resistir as entempéries que possam ocorrer na cidade da Beira”.

Segundo afirmou Mateus Saíze, a situação torna-se mais preocupante ainda quando se sabe existem doutrinas sobre o meio ambiente que defendem a costa da cidade da Beira está a sofrer grave erosão.

Tais doutrinas sustentam que essa erosão parte do rio Zambeze, mais concretamente na região de Marromeu, e se arrasta até ao porto da Beira no sentido de redemoinho.

O número dois da cidade da Beira visitou há dias a zona do desaguadoro das Palmeiras, tendo constatado com desagrado que devido a falta de funcionamento do esporão localizado do lado esquerdo para quem está direccionado ao mar, faz com que todas as arreias são empuradas pelos ventos para o canal, provocando o seu entupimento. Essa situação verifica-se constantemente, resultando daí o bloqueio da passagem das águas para a respiração do chiveve.

Importante reconstrução de esporões existentes

Para evitar a continuidade desse cenário, o autarca Saíze referiu deve ser feita a reconstrução dos esporões existentes, a partir do porto para as zonas a sua esquerda, para permitir a retenção de todas as areias que são removidas pelo vento para esses locais.

“O que nós estamos a dizer ao conselho municipal é que havendo essa possibilidade de retenção dos solos que estão a ser deslocados para entupir o desaguadoro das palmeiras e consequentemente ao porto da Beira, era necessário que se começasse urgentemente com a reabilitação dos esporões. Podemos reabilitar o primeiro esporão que está do lado esquerdo do desaguadoro, assim quando chegarem os ventos toda areia fica travada imediatamente e não se verificará mais o entupimento do canal. É essa a nossa idéia” – concluiu.

Arreia removida do desaguadoro deve ser recolocada nas dunas

Entretanto, reconhecendo que a reabilitação dos esporões exige estudos apropriados e requer mobilização de fundos, o presidente da Assembleia Municipal da Beira defende os solos que são removidos no canal devem ser repostos nas dunas em destruição para permitir o mar não invada a parte continental da autarquia.

Um responsável do Conselho Municipal que acompanhava o presidente da Assembleia na sua visita a zona do desaguadoro das Palmeiras, afirmou na ocasião a edilidade não tem capacidade para transportar os solos para recoloca-los nas dunas.

Mas Mateus Saíze considerou desconvicente essa justificação, porquanto todos os dias tem sido vistos camiões do município carregados de arreia removida do canal que no lugar de ser devolvida para as dunas tem sido vendida para construção.

A fonte defende não devia ser assim, porque existem áreas próprias identificadas ao nível do município onde está autorizada a extração de arreia para construção, pelo que não pode ser areia do mar que tem de ser tirada para construção directamente.

“Tirar aquelas areias e vendelas para construções estamos a diminuir cada vez mais a capacidade da própria costa resistir as entempérias que possam ocorrer na urbe” – reafirmou, qualificando a acção do Conselho Municipal da Beira incorrecta.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!