Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

População de Moamba pede água potável

A população de Pessane, distrito de Moamba, província de Maputo, Sul de Moçambique, pede agua potável para minimizar a gritante falta deste precioso liquido naquele posto administrativo. A questão da falta de água naquele distrito foi apresentada esta quinta-feira a Presidente Assembleia da República (AR), Parlamento moçambicano, Verónica Macamo, durante um comício que ela orientou naquele ponto do país.

Os populares disseram que a falta de água naquela região é agravada pela seca. Eles entendem que esta situação concorre para a fraca produtividade agrícola e compromete todos os esforços de combate a pobreza. “A água que consumimos é proveniente da Machava (cidade da Matola), a dezenas de quilómetros de distância, e cada lata de 20 litros custa 20 a 25 meticais (0,75 dólar)”, disse Baita Cossa, falando a Macamo, que esteve a trabalhar naquele ponto do país na qualidade de deputada da AR eleita por aquele circulo eleitoral.

Cossa disse que este valor cobrado pela lata de água é exorbitante, por isso pediu a intervenção do Governo para resolver o problema da falta deste precioso líquido em Pessane. Ainda durante o comício, a população queixou-se do problema de falta de energia eléctrica, roubo de grado, mau atendimento dos idosos nos hospitais, morosidade na tramitação de documentos de identidade, entre outros. “Neste posto administrativo também não temos energia eléctrica e isso propicia o agravamento da criminalidade.

Os ladrões de gado aproveitam-se da escuridão para ameaçarem as pessoas e levarem os seus cabritos”, disse Raimundo Nhanombe, também residente em Pessane. Nhanombe referiu que a insuficiência da Policia naquele ponto do país concorre para que os bandidos “passeiam a sua classe sem problemas”.

Na sua intervenção, Verónica Macamo prometeu a população que todas as suas reclamações serão encaminhadas para os órgãos relevantes, nomeadamente os governos provincial de Maputo e o Central. Macamo disse que estas jornadas de trabalho visam prestar contas ao eleitorado sobre o trabalho desenvolvido pelos deputados da AR, bem como colher sensibilidade das populações em relação a implementação, pelo Governo, do Plano Económico e Social do presente ano.

Refira-se que a população de Pessane não é a única a queixar-se da falta de água em Moçambique, particularmente na província de Maputo, onde a vila fronteiriça de Namaacha também se debate com problemas de falta de água. O administrador daquele distrito, Artur Chindadale, disse que o sistema de abastecimento de água parou já há muito tempo e não se adequa à realidade actual.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!