Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Policias revoltados impedem passeata pró-Morales na Bolívia

Policias amotinados atiraram gás lacrimogéneo contra partidários do presidente da Bolívia, Evo Morales, esta Segunda-feira(25), quarto dia de protesto dos agentes que reivindicam melhores salários, pedido que, para o governo, encobre uma tentativa de conspiração.

O confronto ocorreu perto da praça Murillo, em La Paz, onde ficam as sedes do governo e do Congresso. Acuado pelo motim policial e por uma marcha de indígenas contrários à construção de uma rodovia amazónica, Morales descartou recorrer às Forças Armadas para impor a ordem.

“O presidente acompanha de perto os acontecimentos e mantém a sua decisão de obter uma solução pela via democrática, evitando qualquer derramamento de sangue”, disse aos  jornalistas a ministra da Comunicação, Amanda Dávila.

Os bancos, que haviam fechado parcialmente, Sexta-feira, por causa do motim policial, retomaram o atendimento, em alguns casos com seguranças privados. O policiamento de tráfego, a segurança de edifícios e as patrulhas, entre outros serviços policiais, permanecem paralisados, segundo testemunhas.

À paisana e encapuzados, os amotinados bloquearam os acessos à praça central, atirando gás lacrimogéneo contra camponeses, dirigentes sindicais e comunitários que pretendiam instalar-se diante do palácio presidencial para uma vigília de apoio a Morales.

Domingo, uma aparente maioria dos sublevados rejeitou um acordo que os líderes do protesto haviam assinado com o governo e com a cúpula da polícia.

Rádios locais relataram uma grande adesão à greve entre suboficiais e policiais de baixa patente no país inteiro.

“Vamos continuar a nossa luta, não queremos migalhas, e sim uma real equiparação de salários com os dos militares”, disse aos jornalistas Guadalupe Cárdenas, líder de uma associação de esposas de policiais que assinou o acordo com o governo e depois recorreu.

Os frustrados partidários de Morales, que disseram responder a um chamado governamental para “defender o processo de mudança”, denunciaram a “brutalidade” dos policiais amotinados.

“A nossa marcha era pacífica, mas fomos dispersados com gases e paus. Os amotinados não orotestam pelos salários, e sim por coisas políticas”, disse à rádio estatal Patria Nueva o líder da Confederação de Camponeses, Roberto Coraite, somando-se à denúncia oficial de um suposto plano golpista.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!