Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Polícia conserva mal suas viaturas

A capacidade operativa das forças policiais no quadro da prevenção e combate ao crime na província de Nampula está a conhecer uma redução nos últimos tempos.

É que, pelo menos, quatro das dezanove viaturas alocadas há cerca de dois meses pelo Ministério do Interior ao Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique neste ponto do país acidentaram-se e estão, neste momento, fora de circulação devido às graves avarias que sofreram.

A reparação das viaturas de marca Nissan Hardbod vão exigir somas avultadas para a sua recuperação visando garantir a mobilidade das forças políciais nas acções de prevenção e combate ao crime em constante crescimento no contexto da sua incidência nesta que é a província mais populosa do país.

Dados em poder do Wamphula Fax, indicam que as viaturas sinistradas encontram-se afectas aos comandos distritais de Angoche, Memba e Meconta.

As causas dos acidentes em que referidas viaturas se envolveram estão relacionadas com a condução em estado de embriaguez por parte dos respectivos utentes.

Apuramos, ainda, que o processo de afectação das viaturas aos comandos distritais da PRM, que vinham clamando por um apoio em termos de meios circulantes, não respeitou critérios previstos no Aparelho do Estado.

Ou seja elas foram entregues aos comandantes distritais e muitos deles não dominam a condução alegadamente pelo facto de terem conseguido as respectivas cartas num passado muito recente.

Para corrigir esse erro, as viaturas passarão a ser conduzidas, a partir dos próximos dias, por condutores habilitados, facto que vai por outro lado garantir a sua durabilidade através de acções adequadas de conservação e manutenção.

Na cerimónia de entrega das viaturas aos comandos distritais, a comandante provincial da PRM em Nampula, Arsénia Massingue, fez veementes apelos aos beneficiários no sentido de fazerem melhor uso das mesmas, observando que custaram ao Estado moçambicano valores avultados resultantes da contribuição dos cidadãos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!