Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

PGR admite notificar Bachir

A Procuradoria Geral da República (PGR) afirma ser cedo demais para se pronunciar com relação às acusações do Governo norteamericano de declarar o proprietário do Grupo MBS, Mohamed Bachir Suleman, como barão da droga estrangeiro. Contudo, segundo fonte da PGR citada pelo matutino ‘Noticias’, caso o trabalho em curso de recolha de dados esteja concluído, Mohamed Bachir Suleman será notificado a fim de prestar declarações.

Entretanto, na quintafeira, a Embaixada dos Estados Unidos da América (EUA) em Maputo declinou receber em audiência o Presidente do Grupo MBS, Mohamed Bachir Suleman, considerado pelo Governo daquele país como “barão de droga estrangeiro”. O encontro havia sido solicitado pelo empresário a fim de exigir provas das acusações que lhe são imputadas.

Máximo Dias, advogado de Mohamed Bachir Suleman, explicou ao ‘Noticias’ que o pedido entregue na quarta-feira, dia em que foi conhecido o relatório americano, assinado pelo respectivo Presidente, Barack Obama, foi recusado e, como sugestão, a Embaixada recomendou ao dono do Grupo MBS a entrar directamente em contacto com o Departamento do Tesouro americano ligado ao narcotráfico, em Washington. Esta entidade é que se encarrega de aplicar sanções a entidades acusadas de pertencer a barões de droga.

Tobias Bradford, da Embaixada dos EUA, dissera a AIM que aquela missão diplomática declinou receber o empresário porque o assunto deve ser abordado directamente com o Departamento do Tesouro, entidade que incluiu o nome de Mohamed Bachir na lista de narcotraficantes. Segundo Tobias Bradford, o Departamento de Tesouro dos EUA enviou quintafeira à sua Embaixada em Maputo a carta que explica e detalha as acusações que pesam sobre o dono do Grupo MBS mas que a defesa de Mohamed Bachir não confirma a sua recepção.

A mesma fonte disse, citada pelo “Notícias”, que uma comunicação sobre o mesmo assunto foi feita oficialmente ao Governo moçambicano, explicando em pormenor as razões que levaram o empresário a ser alistado como barão da droga. No seguimento da identificação feita pelo Presidente Barack Obama do empresário moçambicano Mohamed Bachir Suleman como barao de droga, em conformidade com a Lei de Designação de Barões da Droga Estrangeiros, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos designou três empresas na sua rede de tráfico de narcóticos.

O Gabinete de Controlo de Bens Estrangeiros do Departamento do Tesouro designou o Grupo MBS Limitada, Grupo MBS–Kayum Centre e o Maputo Shopping Centre como traficantes de narcóticos especialmente designados, devido ao facto de serem da propriedade de Mohamed Bachir Suleman ou estarem sob o seu controlo. A acção congela quaisquer bens que as três entidades possam possuir e que se encontrem sob jurisdição dos EUA e proíbe as entidades americanas de realizarem transacções financeiras ou comerciais com as mesmas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!