Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Parabéns Gurúè

Esta quinta-feira, a cidade de Gurúè, norte da província da Zambézia, faz trinta e nove anos de elevação a categoria de cidade. Foi a 24 de Fevereiro de 1972, que o chamado planalto chazeiro da Zambézia, deixou de ser chamado vila Junqueiro, passando a ser chamado de Gurúè.

A cidade de Gurúè é município e tal como outros tantos municípios deste país, tenta erguer-se das marcas da guerra. Para quem vem de visita à província da Zambézia, certamente entra lhe no coração conhecer a cidade de Gurúè que dista a cerca de aproximadamente 350 km de estrada transitável.

Todos estão em festa e neste momento, os problemas se esquecem. Abrem-se champanhes, a cerveja une quase todos, enfim. Com mais de 52 mil pessoas, a cidade de Gurúè é considerado o celeiro da província, por causa do seu potencial agrícola.

A sua imagem paisagística, logo ao entrar na cidade, com o verde dos campos do chá, o monte Namuli mesmo enfrente, dá uma outra beleza a cidade.

O município de Gurúè é dirigido pela Frelimo, que nas eleições passadas, isto é autárquicas, elegeu um presidente. Chama-se José Aniceto que numa entrevista ao nosso jornal, diz que Gurúè já não é mais e nunca será vila Junqueiro.

Muita coisa mudou e os grandes problemas que a cidade enfrentava como falta de água, comércio informal a tomar conta da cidade, estão já resolvidos.

Aniceto sublinha também que tudo isso acontece graças a vontade dos munícipes, porque se não houvesse esta vontade, então nada seria possível.

E à margem das festas dos 39 anos da cidade, os munícipes de Gurúè, passaram a ter desde a tarde desta quarta-feira, uma morgue com capacidade de guardar três corpos. É a primeira morgue a ser instalada naquela cidade, dai que a satisfação vem de todos.

Quer o governo do distrito até a população, esta última a grande beneficiária. A morgue ora instalada naquele distrito, custou aos cofres do estado, cerca de trezentos mil meticais, dai que o edil de Gurúè, pede para que o mesmo seja usado com cuidado.

Por outro lado, a fonte acrescentou também que para além da morgue, a cidade já tem uma viatura funerária para responder a procura deste serviço por parte dos munícipes.

Em média, conforme dados em nosso poder, registam-se quatro óbitos por mês, isto ao nível do hospital distrital de Gurúè. Neste momento de festa, o Diário da Zambézia associa-se aos munícipes daquela vila e deseja festas felizes a todos. Parabéns Gurúè.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!