Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Para breve abastecimento de água 24 horas em Boane, Maputo e Matola

O Projecto de Reabilitação, Reforço e Expansão do Sistema de Abastecimento de Agua ao distrito de Boane, bem como aos municípios de Maputo e Matola, Sul de Moçambique, está numa fase avançada de execução, prevendo-se a conclusão das obras até finais do corrente ano.

“As obras estão a 60 por cento de execução e, em alguns pontos, as pessoas já estão a beneficiar de água potável”, disse o director executivo do Fundo de Investimento e Património do Abastecimento de Água (FIPAG), Pedro Paulino, falando hoje em Boane, província de Maputo, no final de uma visita que um grupo de jornalistas a aquele empreendimento.

Iniciado em princípios do ano passado, o projecto, orçado em 95 milhões de euros, já se encontra numa fase avançada e as obras decorrem sem sobressaltos nos três pontos geográficos abrangidos nesta fase.

Fundamentalmente, este projecto visa aumentar a capacidade de produção e transporte de água tratada, reduzir as perdas, reabilitar e expandir a rede de distribuição de água, incluindo a construção de centros distribuidores.

Igualmente, o projecto integra a componente de expansão do sistema de abastecimento de água através de pequenos operadores, tendo como grupo alvo as populações das zonas dos municípios de Maputo e Matola não abrangidas pela rede formal.

“O primeiro impacto é que esperamos aumentar a população servida dos actuais 40 para 73 por cento até ao final do projecto no fim deste ano”, disse Paulino Essas projecções significam que, com a conclusão deste projecto, o número da população com acesso a água potável vai subir de 670 mil para 1,5 milhão de pessoas. Por outro lado, as pessoas passarão a ter acesso à água durante todo o dia, contra as 12 horas actuais.

Outro grande impacto tem a ver com a redução das perdas de águas, uma vez que actualmente o Estado perde metade da água tratada nestes três locais.

Com a conclusão deste projecto, o FIPAG espera reduzir o nível das perdas em 25 por cento. O FIPAG espera ainda aumentar a capacidade de armazenamento de água, de 144 mil para 240 mil metros cúbicos por dia.

Falando a jornalistas, a gestora do Projecto de Abastecimento de Água de Maputo no FIPAG, Judite Manhique, explicou que os 95 milhões de euros investidos neste projecto resultam de um financiamento conjunto, que inclui o Governo moçambicano, Banco Europeu de Investimentos, a União Europeia, a Agência Francesa de Desenvolvimento e o Governo da Holanda, através do programa ORET. Moçambique comparticipa no investimento com 13,8 por cento.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!