Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

ONG holandesa forma líderes empresariais em Moçambique

Empresários moçambicanos acabam de ser munidos de novas habilidades e ferramentas necessárias para desenhar modelos de negócios inclusivos nas suas instituições.

Neste âmbito, um total de 25 membros do sector privado esteve numa formação, em matéria de implementação de estratégias de negócios inclusivos em Moçambique, promovida pela Organização Holandesa de Desenvolvimento (SNV).

O curso, que decorreu em Maputo, com a duração de cinco dias, tinha por objectivo preparar as empresas com vista à implementação dos negócios inclusivos nos seus modelos de negócios, segundo explicou o assessor de mecanismos consultivos da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), Muzila Nhantsave.

Acredita-se que os Negócios Inclusivos contribuem para a melhoria da qualidade de vida das comunidades de baixa renda, integrando-as na cadeia de valor das empresas.

“Achamos que, numa economia como a nossa, que quer se desenvolver, é fundamental que as populações de baixa renda tenham a oportunidade de serem inclusas no ciclo económico. Todas as empresas, quer pequenas, médias e gran- des, têm a possibilidade de fazer negócios com esse segmento da população, daí esta iniciativa de negócios inclusivos”, frisou.

Por sua vez, o especialista de negócios inclusivos da SNV, Javier Ayala, indicou que se viu em Moçambique uma oportunidade de trabalhar com o sector privado, como um mecanismo eficiente para o desenvolvimento sustentável do país.

SNV em 32 países

“A SNV trabalha em mais de 32 países, nos quais achou conveniente aliar-se ao sector privado para poder construir mecanismos de inclusão dos segmentos de baixa renda nas economias desses países, pois, através do mecanismo de negócios inclusivos, identificámos uma forma eficiente de geração de oportunidades para estes segmentos da população obterem o emprego e acesso aos produtos e serviços de baixo custo, que respondam às suas necessi- dades básicas”, explicou.

Recentemente, foi criado no país o Conselho de Negócios Inclusivos (CNI), uma entida- de moçambicana constituída pelo sector privado, entidades públicas, organizações não-governamentais e organizações da sociedade civil interessadas na promoção e implementação de modelos de Negócios Inclusivos.

Para o CNI, Negócios Inclusivos são iniciativas empresa- riais economicamente rentá- veis, ambiental e socialmente sustentáveis, desenvolvidas sobre uma base de relacionamentos de longo prazo com as comunidades de baixa renda.

Os intervenientes esperam que as comunidades, ao serem integradas enquanto parceiras e beneficiárias dos Negócios Inclusivos, beneficiem do emprego, da renda proveniente da venda dos produtos por si produzidos ou distribuídos e da aquisição de produtos.

O CNI facilita o acesso das empresas à assistência técnica, padronizando processos e práticas, como forma de evitar que cada empresa passe pela sua própria curva de aprendizagem e experiência na prática de Negócios Inclusivos. Com a sua cadeia de parcerias, o CNI também facilita o acesso ao financiamento aos promotores de negócios inclusivos.

Desta feita, com o envolvimento das comunidades na cadeia de produção das grandes empresas, espera que as mesmas cheguem a adquirir uma participação no capital social das empresas investidoras.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!