Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

OMS sem estudos sobre uso de bypass pela MOZAL

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma não ter desenvolvido ainda nenhum estudo sobre possíveis implicações negativas do uso de bypass pela MOZAL, reiterando, contudo, que a nível da região de Beluluane onde se localiza a multinacional e na cidade da Matola a poluição ultrapassa os limites por si estabelecidos.

“Ainda não há nenhum estudo feito sobre uso de bypass pela MOZAL, mas mesmo que tivéssemos feito não seríamos nós a divulgar os resultados por se tratar de uma empresa com capitais mistos”, disse a fonte da OMS ouvida pelo Correio da manhã.

Ajuntou que a sua organização trabalha em estreita colaboração e coordenação com o Ministério moçambicano da Saúde, “pelo que tudo o que quiserem saber sobre resultados de estudos ambientais realizados pelos nossos técnicos aqui em Moçambique só podem recorrer àquele ministério”.

Refira-se que há dias a organização Justiça Ambiental de defesa do ambiente divulgou resultados de análises por si feitas sobre a poluição em Beluluane e cidade da Matola, tendo concluído que o nível é elevado em pouco mais de seis micromiligramas de metros cúbidos que o limite estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Moma & Moatize

Entretanto, também o Centro de Integridade Pública (CIP) teve o mesmo tipo de conclusões nos seus estudos realizados junto a áreas onde estão a ser explorados projectos mineiros por multinacionais detentoras de licenças dos projectos das areias pesadas de Moma, em Nampula, e de carvão de Moatize, na província central de Tete, e ainda em Sussundenga e Manica, onde operam garimpeiros produtores de ouro.

Os resultados do CIP deverão ser divulgados próxima segunda-feira em Maputo, mas enfatizam que a poluição do ambiente feita pelas companhias mineiras baseadas em Moma e Moatize é “muito mais elevada” que os limites estabelecidos pela OMS.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!