Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Olhar de medo das crianças que sairiam ilegalmente do Haiti revela seu drama

As 33 crianças recuperadas de um suposto tráfico realizado por uma organização cristã americana no Haiti protegiam-se umas as outras no domingo e o medo em seus olhos comprovavam o drama da infância num país destruído. Uma menina de um ano, vestida de vermelho, ao lado de outros pequenos de 7, 4 e 5 anos, fixa o olhar nos adultos que se aproximam para ver como está e, ao mesmo tempo, aperta a mão do amiguinho a seu lado.

“Por motivos legais não se pode divulgar as identidades de nenhum desses menores”, advertiu à AFP Patricia Vargas, directora regional da organização não governamental SOS, que, no sábado, atendeu ao pedido do Instituto Haitiano de Bem-Estar Social para acolher este grupo de crianças vindo da fronteira com a República Dominicana. “A maioria possui família. Os maiores, de até 12 anos, disseram que seus pais estão vivos, e até forneceram endereço e números de telefone”, contou Patrícia.

Na fronteira entre as duas nações da ilha Hispaniola a polícia haitiana se deparou com um ônibus onde viajavam 33 meninos e meninas acompanhados de adultos americanos, sem qualquer documento legal para tirá-los do país. Enquanto brincam nas instalações do SOS Village, hoje uma espécie de oásis em meio à destruição da capital haitiana, a menininha de um ano continua apertando a mão dos amigos maiores que, com o olhar também desconfiado, tentam protegê-la, abraçando-a. No interior do SOS Village, organização encarregada de atender aos menores em situação de vulnerabilidade, dezenas de voluntários do Chile, da Guatemala e Costa Rica, entre outros, não escondem o espanto.

“Mesmo com elementos que nos levavam a suspeitar de tráfico de crianças, não deixa de ser um choque”, disse à AFP Georg Willeit, encarregado de mostrar o centro e zelar para que nenhuma pessoa faça perguntas a estes pequenos “traumatizados”. “Vários apresentam um sono agitado”, explicou Willeit pouco antes de abrir a porta de uma das dependências do centro, decorada como um lar, onde dormia um bebê no sofá. Três pré-adolescentes velavam por seu sono. O bebé chegou sábado com problemas de desnutrição e desidratação, pelo que teve de passar a noite no hospital.

Outros voluntários contaram à AFP que, depois do terremoto de 12 de janeiro em Porto Príncipe, vários pais se aproximaram da sede do SOS, com fotos, perguntando sobre o destino de seus filhos.

Entre os acampamentos de refugiados e as ruas cheias de escombros aparecem crianças de todas as idades que, às vezes, fogem da vista de seus pais, correndo de um lugar a outro, com a chegada de qualquer doação de alimentos, água ou barracas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!